domingo, 30 de dezembro de 2018

Feliz ano de 2019.


Sei que será muito pedir-te um abraço
Que seja demorado, sincero, apertado
Que me acaricie e chegue ao coração
Sei bem e consigo por ti ter paciência
Que sei conformar-me com a ausência
E viver solitário, esta grande paixão
.
Sei que a distância, é longe, permanente
Que cansa o amor tão dorido e premente
Nos desígnios, do desejo, que nos move
Mesmo sabendo abro o coração e a alma
E nesse encanto e amor que nos acalma
Desejo-te, um feliz Ano Novo, de 2019
.

sábado, 22 de dezembro de 2018

É o teu sorriso o Oásis que me sacia a sede.



São os teus olhos o dilúvio humedecido
O teu sorriso o oásis, a fonte o paraíso
Amanhecer de um amor indeterminado
São as lágrimas o elixir da seca nascente
Onde os lábios bebem a seiva da mente
E emudecem num amor desencontrado
.
É o coração uma folha escrita em branco
Com letras emolduradas no entretanto
Numa leitura de desnudada felicidade
Algumas vezes residindo na dura ilusão
Dos claros versos, designando a traição
Que deveriam ser escrituras de verdade
.
A poesia é verso, é prosa, que do além
Nos seus encantos maravilham quem
Neles acredita e se abandona ao amor
Letras rimadas nos versos de ninguém
São a reflexão de quem ama alguém
E a transporta na alma como uma flor


Feliz Natal para todos os amigos e amigas deste cantinho poético que é de todos nós.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

Ardendo comigo na chama da paixão




Queima aqui no peito, um lume de paixão
Resíduos naturais dos beijos que trocámos
Amor ardente, cinzas produzidas do vulcão
Que salpicam esse carinho que granjeámos
.
Palavras de ternura no crepúsculo sentido
Onde deixámos arder, o nosso sentimento
Fagulhas de lume,  de um amor enaltecido
Ardendo lentamente no nosso pensamento
.
São os teus lábios fontes de água cristalina
Que os meus molham de doçura pura e fina
Queimando meu corpo em chama reluzente
.
Se uma fagulha envolvesse o teu entardecer
Decerto que nesse lume tu virias desfalecer
E comigo ardias em amor, feliz, docemente
.

sábado, 8 de dezembro de 2018

Amar na Paz do Vento


Sou como o vento que areja as orlas do mundo
Procurando um destino, um oásis, de frescura
Onde minha sede se sacie, num mar profundo
E o teu sorriso seja maresia de mélica candura
.
Procuro-te através dos arvoredos mais abertos
Onde o som dos teus passos eu consiga ouvir
Que o meu amor me leve através dos desertos
Onde encontre os teus lábios de amor, a sorrir
.
Outono, folhas caídas em olhares inconstantes
Vazio desfolhar por ventos trocados, distantes
Que sopram velozes acabando por nos afastar
.
Terras de além que carinhos o vento nos trará
Se nos depararmos,  é porque o amor vencerá
Na paz do vento nossos egos se possam amar
 .

sexta-feira, 30 de novembro de 2018

Amor sentido e adornado

Imagem relacionada

O fogo do teu corpo embriaga-me os sentidos
Embala o meu coração, acalma o meu ego
Sufoca os meus sentimentos incompreendidos
E deixa o meu coração, sem rumo, frio e cego
.
Altera-me a disposição e a minha atitude atenta
Olho-te de soslaio, sinto-me carente e impulsivo
Porque o teu coração, para mim, representa
O remédio que cura o meu sentimento sensitivo
.
É teu corpo uma faísca que me incendeia
Que retira de mim toda a sagaz inocência
És a labareda que pelo meu corpo vagueia
Que me queima e domina a inteligência
.
Desejo-te nesta alucinação flamejante
Quereres despidos, afáveis e apaixonados
Entrega-me o teu corpo em amor cintilante
E eu cuidarei dele com esmeros cuidados
.

segunda-feira, 26 de novembro de 2018

Procuro-te nos versos do mundo


Toco uma estrela. Procuro-te nos versos do mundo
Como se o teu olhar fosse minha propriedade
Em meu coração existe um amor profundo
Olho as estrelas. Uma delas, és tu na verdade
.
Procuro-te por entre a luz de um luar apaixonado
Pétala de uma flor que existe  me perfumando
Resides como um lírio no meu coração cansado
Auréola de amor, o meu coração, iluminando
.
Procuro-te sabendo que estamos tão distantes
Não sei se te vou encontrar ou até conhecer
Sei que já nos encontrámos e olhámos antes
Pois sinto que já te amo mesmo antes de nascer
.
Já fomos amantes noutras épocas percorridas
Quando eu era um pobre e solitário vagabundo
Mas em meu coração as promessas esquecidas
São estrelas. Procuro-te nos versos do mundo
.

terça-feira, 20 de novembro de 2018

És a minha roseira ... feita amor.



Se fosses uma roseira, desabotoando em flor
Será que te amava tanto como sei que te amo
Mesmo que fosses um espinho, triste na dor
Amar-te-ia no ouvir do teu nome que chamo
.
Planta rosácea em jardim que o amor encerra
Escondida por espinhos de dura sensibilidade
Vivendo no obscuro dos sentimentos da terra
Secretamente enche os corações de felicidade
.
Se o amor fosse a verdade da sombria afeição
Não haveria no mundo nenhum pobre coração
Nem o imaginário uma imprudência traiçoeira
.
Não teriam as roseiras espinhos maus e duros
Nem o amor viveria de pensamentos impuros
Todos os jardins, teriam o perfume da roseira
.

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Amor num desejo celestial



Perante ti, minha querida, que amo tanto
Reconheço, este meu imaginário obsceno
Amo-te demais, docemente, e no entanto
Quero-te num desejo intenso, e tão pleno
.
Amar-te, será sempre, a minha fatalidade
Querer-te, olhar-te, sentir teus embaraços
Serão a magia, que determina a felicidade
Que sinto, quando recebo os teus abraços
.
Adormeço contigo num sorriso, nem sei
Que por algo impuro, porque abandonei
O teu corpo ligado ao meu desejo carnal
.
Sei que te amo, que com amor, te desejo
O que não daria para receber o teu beijo
Ofertado por amor num desejo celestial
.

quinta-feira, 8 de novembro de 2018

Olhos de paisagens misteriosas


São os teus olhos paisagens misteriosas
Flores campestres, perfume permanente
Sendo suas pétalas, vis arestas perigosas
Que iluminam meu coração, tão carente
.
Confesso palavras de silêncio trovejante
Cintila o teu olhar nas vozes silenciosas
Sussurros audíveis em desejo de amante
Sensações de afecto, honras, carinhosas
.
Olhar fixo, porta da alma, doce carinho
Olhar brejeiro, luz aclarando o caminho
Cintilante pensamento, aurora, maresia
.
São os teus olhos, jardins de fresca flor
Espinhos que prendem este nosso amor
Caminhos cruzados que iluminam o dia
.

quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Areais de Além-Mar em Amor Celestial


Sento-me sobre a frescura do areal
Ouço os murmúrios das ondas, chegando
Em estímulos de uma viagem terminada
Voltam as águas, ternamente ao mar
Parecendo namorados se beijando
Onde o mundo é um pouco de nada.
.
Olho o além. Um barco navega indiferente
Envolto pela nebulosidade de cor nenhuma
Pés molhados. Sinto os suspiros dos areais
Perco-me no irreal e num olhar envolvente
Embriago-me na suavidade da alva espuma
Onde os meus delírios são silêncios fatais
.
Aprecio a agitação das ondas no seu chegar
Que abafam os esgares do meu pensamento
Acalma-se o meu corpo pelo fresco da maresia
Perguntam as ondas porque chora o meu olhar
Não lhe sei responder, porque se calhar
São a fonte e a ternura da minha fantasia
........................................

sábado, 27 de outubro de 2018

Amor sentido na solidão dos silêncios


Hoje, pelas 16H00, estive presente, no Encontro de Poesia, na Biblioteca Municipal Ary dos Santos - Sacavém, onde li o poema, da minha autoria, que se segue:

São os teus olhos o meu caminho de fresca paisagem
Que me inebria os sentidos no silêncio do entardecer
Como um barco que encara as ondas na sua viagem
Assim é o teu olhar, que perfuma, todo o meu viver
.
Sendo as estrelas, um campo florido, pétalas de amor
Que espalham em meu coração o aroma da esperança
Silenciando os sentidos que embargados na doce flor
Afluem ao meu olhar o mélico sorriso de uma criança
.
Através do teu amor, qual emoção na noite silenciada
Pelos desvarios do imaginário na sua livre caminhada
Desatinos do meu coração que de afecto tanto padece
.
Afasto os lençóis, desligo a luz, e no sorriso da ilusão
Afasto a tristeza de sem ti, viver o silêncio da solidão
Sentindo como o meu ego, pensando em ti, adormece
.

quarta-feira, 24 de outubro de 2018

Folhas caídas sem vida


(foto minha)
..................................

Neste jardim ergue-se a vida maltratada
Folhas caídas, entrelaçadas em desamor
Ontem viçosas, hoje beleza amortalhada
De um encanto que perdeu todo o vigor
.
Folha traída por um Outono sem perdão
Lindas flores que perfumaram o recanto
Hoje jazem qual mortalha de ingratidão
Esquecidas por quem as enalteceu tanto
.
Unem-se as folhas numa agonia sem cor
Vencidas pela tempestade e … desalento
Outrora perfumando em alegria sem dor
São agora folhas sufocadas pelo lamento
.
Parecem sussurrar num choro incontido
Numa prece vazia em escolha resignada
Folhas mortas por um tempo concebido
Onde a vida é tudo, no implacável nada
.

sábado, 13 de outubro de 2018

Máculas de envolvência



É meu amor, ondas do mar em movimento
Inspirado na força da aragem, mero desejo
Deixo nos areais minhas preces e lamento
Esperando que das águas surja o teu beijo
.
Fecho os olhos, penso em ti, me atormento
Por não ser a voz, qual harmonia em chama
Na crueldade da dissonância do sentimento
Que me arde na alma e meu sorriso inflama
.
Vagas no vago dos círculos da vil ventania
Molham e secam as máculas da fina ironia
Quando as ondas se beijam tão longamente
.
Que nosso amor perdure no tempo devido
Que nunca se sinta pelas marés, envolvido
E que a ondulação nos abrace, novamente
.

sábado, 29 de setembro de 2018

Conhecer-te foi loucura



Recordo as horas vividas, cansadas
Chegou o Outono, a água nos ribeiros
Folhas caindo, ventos primeiros
Gotas rebeldes, ondeiam transviadas
.
Encontrei-te na história, vida incerta
Sonhos e fantasia, passos e esteiros
O teu olhar, versículos verdadeiros
Doação da mente, beijo na hora certa
.
É teu corpo a poesia, a sensibilidade
A luxuria, o momento, a suavidade
A encosta mais alta da doce ternura
.
Perdi-me por entre ondas, nos medos
Na carência, na magia dos degredos
Onde conhecer-te foi a maior loucura

terça-feira, 11 de setembro de 2018

Lago fresco e profundo


Fosses tu um lago fresco e profundo
Onde eu nadasse nos dias de calor
Esfriando minha alma num segundo
Nas tuas frescas águas de amor
.
Fosses tu uma gota em lago sentido
Em que meu corpo ficasse molhado
E o meu coração fosse arrefecido
Nas belas ondas do teu corpo amado
.
Fosses tu apenas um sonho inacabado
Onde viajasse o meu corpo cansado
Nas melodias inseparáveis do canto
.
Serias o lago, a flor, o fresco da vida
A voz conselheira, a dor consentida
Neste meu coração que te ama tanto
.

quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Arestas do coração em linhas cruzadas.



Quero confessar-te auréolas misteriosas
Factos da vida. Do meu coração ausente
Que  por carinho deambula, infelizmente
Solitário, por cercanias muito perigosas
.
Confessar-te ao ouvido, tão longamente
Palavras nunca ditas, alvas, silenciosas
Tão ingénuas e cruas, puras, carinhosas
Que sobram no meu coração tão carente
.
Falar-te de coração aberto, meu carinho
Dizer-te que não faz sentido o caminho
Se não merecer o teu amor e companhia
.
Que coisas misteriosas serão esquecidas
E as palavras serão para sempre retidas
Nas linhas cruzadas, das arestas do dia
.

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

Viver sem tempo


Se uma voz rouca soasse em tempo
Quando o tempo por si, escurece
Ninguém diria em destempo
Que tem aquilo que merece
.
Não o diria, porque dizendo
Iria contra as leis da vida
Pois existe a voz do querendo
Que mesmo assim não tem saida
.
Talvez um grito de amor abafado
Por um qualquer contratempo
Seja o grito de um coração cansado
Cansado pelo próprio tempo
.
Tempos existem de sol e vida
Outros, de total incompreensão
Nem sempre a voz mais querida
Sabe falar dentro do coração
.
Talvez as palavras sejam ditongos
De um tempo de principio, meio e fim
E quando os tempos são longos
Não exista tempo para viver assim

quarta-feira, 22 de agosto de 2018

Olhando o Mar em sonho Infinito


É o mar uma paisagem que me leva ao sonho infinito
O namoro das ondas que se enlaçam em fino desvario
Areia arrastada pela maré que sem rumo nem quesito
Embeleza a jornada da embarcação de ondular bravio
.
Rebelião em que o ondear pode ser áspero e sombrio
Sol que nasce e aquece o além de um amor flagelado
Pelas agruras da imensidão que no seu viajar e estio
Se esquece de refrescar sentimentos do sonho gelado
.
Soltam-se as amarras do barco pelas ondas aneladas
Fecham-se os anseios em viços e quimeras cansadas
Caminha-se pelos sentimentos num sonho sem fim
.
Abrem-se sorrisos por o além ser réstia do esplendor
Passos retraídos pela ausência do tão almejado vigor
Dentro da solidão de uma alma enfeitada de jasmim

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

AMOR EM DESATINO

( Imagem da net )
.
Amo-te muito, sei que é muito e nesse muito
Está todo o muito de mim
Amo-te tanto, uns dias sorrindo, outros em pranto
Não de lágrimas correndo, nos becos do entretanto
Porque isso é mágoa, é tristeza sem fim
Sei que te amando assim, fortemente
Entoa em meu coração, uma voz inconsciente
Talvez um amor intolerante, exagerado
Romântico, maravilhoso, sem início nem fim
Que soa no pensamento num silêncio magoado
É assim que eu te amo, num amor carente
De uma forma desajeitada, num tudo ou nada
Mas é esse o meu jeito
Sim amo-te muito, neste meu modo de amar
Talvez não o saiba mostrar
Mas sei que este amor que por ti, sinto
Não consigo fingir, não minto
Se te disser que esse amor, faminto
Quase não cabe dentro do meu peito
.

domingo, 5 de agosto de 2018

O teu corpo como fim do caminho



Gostava de ser livre como o pensamento
Visitar vales e montes como o vento
Caminhar pelas várzeas sem olhar para trás
De perceber o imaginário e de ser capaz
De seguir um caminhos de ventura
Levando no coração o teu beijo de ternura
.
Queria brilhar como as estrelas cintilantes
Tirar  do peito as amarguras dilacerantes
Fechar os olhos, ouvir a tua voz amiga
Saborear o gosto da tua doçura contida
Nos alicerces de um delirante carinho
Onde o teu corpo fosse o fim do caminho
.
Queria que fosses a chegada e a partida
Deixar no ar os segredos da voz ouvida
Quando me beijavas, e sussurrando
Me dizias: Meu amor, te estou amando
E bem apertadinha ao meu corpo ardente
Tremias de amor por me amar docemente
 .

quinta-feira, 26 de julho de 2018

Saudade dos teus lábios



Sinto saudade de ver teu corpo vencido
Dos teus lábios e dos teus beijos fatais
Queria esquecer-te mas não consigo
Tenho saudade dos teus sorrisos e ais
.
Talvez amar-te fosse um erro do meu ser
Neste sentimento que por ti, transporto
Pobre coração que se sente desfalecer
Por sentir as saudades desse teu corpo
.
Juraste um amor que jamais teria fim
Antes de te ver linda, adormecida
Sendo por isso que não perdoo a mim
Por não saber tirar-te da minha vida
.
Eu sei que o sonho pode ser realidade
Dos teus passos, como destino dos meus
Dentro desse sonho existe tanta saudade
Que os meus lábios têm de beijar os teus

terça-feira, 10 de julho de 2018

Amor do meu coração ao infinito



Quero que o meu amor seja uma estrela cintilante
Que ilumine o teu coração de um desejo profundo
Que deste amor não queiras nunca estar distante
Pois quando se ama não há lonjura neste mundo
.
Quero que sintas o meu carinho, em cada instante
Que caminhes pelas ruas, com um sorriso aberto
Que entre em teu coração este amor penetrante
Que vagueia pelo sonho por um caminho incerto
.
Quero que sorrias perante o obscuro da incerteza
Em que o teu olhar sorria num abraço de firmeza
Sabendo que o meu carinho é tão robusto e bonito
.
Que não haverão montes, nem mares, nem ondas
Nem campos, nem áridos vales, onde te escondas
Pois o amor será teu, do meu coração ao infinito

sexta-feira, 6 de julho de 2018

Penso em ti quando olho o mar



Olho o mar. O seu vai e vem, abre o horizonte
Olho a montanha. Sinto as vertigens do monte
Escrevo versos em poemas de letras silabadas
Piso o areal como quem lê decibéis de escrita
Solto a garganta em gritos em voz de desdita
Que revivem um amor de uma alma cativada
.
Frase letrada por versos de um amor constante
Que lembra o carinho de um beijo apaixonante
Dado ao entardecer de um tarde de total ilusão
Molham os lábios, em águas de sincera ternura
Como se os olhares, fossem trilhos de loucura
Como louco é o amor que carrego no coração
.
Não quero que me peças que um dia te esqueça
Nem que o meu amor por ti alguma vez arrefeça
Nem que deixe, algum dia, de te querer e amar
Quando se ama e entrega o coração ao destino
Só pode existir uma margem feita de caminho
Sendo esse encontrado quando feliz, olho o mar


quinta-feira, 28 de junho de 2018

Perdemos a noção do dia ... não perdi a noção do meu amor



Perdemos a noção do dia, noite e da hora
Já nos beijámos, deitámos o amor fora
Fiquei sozinho sem vontade de sorrir
Conhecer-te foi sonho, duro desvario
Abandonei as trevas, nadei em fresco rio
Diz-me meu amor, que hei-de eu sentir
.
Fizemos diabruras, tivemos noites fraternas
Caminhámos de mãos dadas, dores eternas
Diz-me que horizontes eu posso alcançar
Nosso amor foi água em copo que derramado
Caiu no espasmo de um coração abandonado
Meu amor foi rima que formou o verbo amar
.
Fomos pedra lisa em tabuleiro embutido
Desabotoei o fecho que fechava o teu vestido
Dançávamos e o meu sapato calcava o teu
Fomos gentílicos de um amor de lírio pagão
Tive os teus seios colados ao meu coração
Como pode o meu coração ser apenas meu
.

segunda-feira, 4 de junho de 2018

Procuro-te nas estações do ano.



Há quantas Primaveras te procuro neste mundo
Pelas ruelas, dias e noites, de infinita escuridão
Fazendo de ti o devaneio mais forte e profundo
Sentindo o bater do teu, junto ao meu coração
.
Há quantos Verões vagueio pelas sombras vadias
Sem te encontrar, sem te ver, sem sequer te ouvir
Não sei contar os passos, as noites, tantos dias
Que cansado, descanso na beleza do teu sorrir
.
Há quantos Invernos me visto de fino sentimento
Sentindo como a torna me leva a sítios distantes
Viajo através do imaginário do meu pensamento
A fim de te amar como já te amei, por instantes
.
Há quantos Outonos te procuro pelas noites frias
Como se nessa viagem não houvesse outras vidas
Um amor onde os olhares são noites tão vazias
Dentro das nossas existências já tão esquecidas

sexta-feira, 1 de junho de 2018

Amor em janela aberta


Abro a janela, entra o sol que acalma
O vento que refresca os meus desejos
Afagando os alicerces da minha alma
Que chora pela doçura dos teus beijos
.
Entra o aroma dos campos verdejantes
A magia, o som, que mitiga os sentidos
Dizendo que tudo é como era antes
Quando as tuas palavras eram gemidos
.
Talvez o vento não esteja a ser sincero
Nem me trazer as palavras que quero
Nem me sussurrar a voz do tormento
.
Não interessa se esta paixão que sinto
Entrou pela dita janela, mas pressinto
Que esse amor é apenas a voz do vento
.

terça-feira, 29 de maio de 2018

Pensamentos Vadios



Olho o céu, uma nuvem passa apressada
Versos que não rimam com coisa alguma
Sinto que a noite vai surgir estrelada
Vejo as ondas surgirem em alva espuma
.
Sinto em mim uma sensação exaltada
Que deseja algo que não sabe descrever
Tenho saudades da minha jovem amada
Mulher que vive algures sem eu saber
.
Por vezes penso que não penso em nada
Nem sei se no mundo existo por existir
Será que a minha alma anda preocupada
Por eu sentir o que não deveria sentir?
.
Queria voltar a ser um livre menino
Que toda a gente soubesse entender
Que fosse o oásis do meu destino
O teu coração que não sei perceber
.

quinta-feira, 24 de maio de 2018

Espuma de Amor



Não sei onde começa o sentimento de liberdade
Nem a imagem de amor que busco no teu olhar
Ondulando pelas arestas duma gelada realidade
Vogo na espuma onde entoa a saudade de amar
.
De repente o meu coração é infusão submergida
Nas pedras soltas que compõem a linda margem
Onde ondula o pensamento sobejo de uma vida
Sorrisos nativos que se esvaem na fresca aragem
.
Palavras em labareda percorrem o meu sentido
Como se o destino fosse uma folha de cerejeira
Que esvoaçasse sem que carregasse o teu ensejo
.
Onde meu corpo aceitasse como fruto proibido
E queimasse o meu coração em fogosa fogueira
Quando nossos lábios trocassem um doce beijo
.

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Coração na magia dos sentidos


Dei-te o coração, a magia dos sentidos
Da minha dura vida, destino traçado
Os meus poemas desnortes sofreram
As armadilhas solitários dos gemidos
Dos versos tristes do delírio cansado
Dos meus olhos lágrimas correram
.
Lendo os poemas onde rimas completei
Onde a alma alguns desgostos destilou
E os versos foram o cristal da desilusão
Escrevi palavras que confesso nem sei
Se nas letras a branco, alguma lá ficou
Como sinal do carinho do meu coração
.

quinta-feira, 10 de maio de 2018

Campos Floridos ...Morte dos meus Sonhos.



Eram os campos verdejantes. O amor aconteceu
Vivo na recordação. Flores de suave lembrança
Que me afloram à mente com saudoso carinho
Por vezes ainda penso que em tudo não fui eu
Que nada fez parte da minha sedutora infância
Que foram delírios existentes no meu caminho
.
Coração puro. Flores silvestres. Manhãs de amor
Tanto que não olvido. Fazem parte da lembrança
Recordo com carinho, pois esquecer não consigo
Quando te olhava e com ternura colhia uma flor
Beijava-te e repleto de consideração e elegância
A colocava em teu cabelo como prémio sentido
.
Já mulher, disseste-me baixinho, tranquilamente
Que os nossos campos verdejantes eram incertos
E que não os querias tornar tristes e enfadonhos
Que o teu amor não podia ser meu, infelizmente
E assim pelos desígnios mais límpidos e libertos
Nesses campos morreram todos os meus sonhos
.

terça-feira, 8 de maio de 2018

Amar-te... Simplesmente



Meu amor é como um oceano denso e profundo
Onde as aves se vão banhar por tudo e por nada
É maior que os alicerces que seguram o mundo
Sente a dor do amar por entre a dúvida calada
.
Sendo o sol da manhã, hálito quente de ternura
Luz das estrelas, amor e vida, noite iluminada
Entrego-te esta paixão de amor, quase loucura
Doce energia do meu sentir em voz imaculada
.
Amo-te para além das variações do amanhecer
Qual alvor sorridente em teus lábios de mulher
Sendo esse teu olhar uma luz de doce requisito
.
Quero-te por entre os ósculos d´um amor louco
Em que tudo é nada, e o muito é sempre pouco
Pois sei que vou amar-te para além do infinito
 .

domingo, 6 de maio de 2018

Mãe... ( Dia da Mãe )



MÃE

Que desdita, querida mãe, aconteceu
A idade avançou. Voz sumida, abafada
Todo o teu corpo, a resistência perdeu
Ficaste indiferente nessa cama deitada
.
Sorriso perdido, sem palavra de ternura
Assim te encontras deitada nesse leito
Teus filhos chorando. Realidade dura
Que faz doer o coração dentro do peito
.
Falo para ti baixinho. Não respondes
Beijo a tua testa, teu rosto, um calafrio
Não sei se me ouves ou se te escondes
Atrás das palavras e tristeza do vazio
.
Abre os teus lindos olhos, porque assim
Vês o teu filho, diz-me como te chamas
Promete-me que não te afastarás de mim
Nem dos teus filhos que tu tanto amas
.
Chegará o dia em que o Céu será a razão
Onde mais uma estrela de luz, terá abrigo
E nesse dia em que as lágrimas correrão
Um fragmento de mim, irá junto contigo
.

sexta-feira, 4 de maio de 2018

TRISTEZA



Meu caminhar, pela vida, sentido lento
Ocas ruelas, palavras soltas, intrepidez
São hoje lentas ideias, em que o talento
Se perdeu por entre as fendas da altivez
.
Olhei o além, fui sentimento, verdade
Vivi as palavras que sabendo, talvez
Que eram a outra face da intensidade
Em que todo o deslumbre se desfez
.
A tristeza é companheira da felicidade
Caminham de mãos dadas, fertilidade
Ocultada, por precaução, sendo talvez
.
Como um homem que por amor, aflora
Vive no argumento de que nunca chora
Quando eu já chorei uma ou outra vez
 .

segunda-feira, 30 de abril de 2018

Amor em libertas folhas ao vento



Caminho através das folhas do vento
Que tocam a minha face desesperada
Por sofrerem de declarado tormento
Onde a aragem é um abrigo do nada
.
Acarinho os teus cabelos lisos de amor
Beijo o teu olhar que chispando chama
Me preenche o coração de sábio fulgor
Enlaçando este corpo que tanto te ama
.
Por entre pétalas que perfumam a vida
São os teus lábios, e a tua voz sentida
Falando de amor, que vibra de emoção
.
É a doçura cálida dos teus finos beijos
Fonte límpida dos meus puros desejos
Energia linear que guia o meu coração

domingo, 29 de abril de 2018

A beleza dos Cabelos Brancos



São os sonhos, desejos, fantasias, amores
Tudo se ganha quando chega a mocidade
Soltam-se sorrisos em aromas de flores
Como lágrimas de amor em tempestade
.
Senti no peito tantos carinhos e dissabores
Subi ingremes socalcos, vivi a mocidade
Recebi beijos, ofereci abraços, vivi amores
Esqueci que a vida enferma na dura idade
.
Passaram os dias, vivi a essência das horas
Vi nascer as noites, esqueci-me das auroras
A idade foi chegando. Fugiram os encantos
.
Fica em nós a saudade dos delírios e cenas
Jovem rosto, agora pele enrugada e apenas
Disfarçada na beleza dos cabelos brancos
.

sexta-feira, 27 de abril de 2018

MÃE ... LÁGRIMAS QUE BATEM FUNDO..


Mãe – três letras um sentimento profundo
Idosa. Lágrima, deste meu viver sentido
Mãos de fada. Teu olhar oco, bate fundo
Sofro contigo. Meu coração está dorido
.
Mãe – luz de pureza, água límpida do rio
Que banha o meu olhar em gotas de pesar
Por te ver em leito, de olhar tão sombrio
Que nem minhas preces te podem ajudar
.
Mãe – que ontem me acariciavas o cabelo
Me oferecias o carinho que eu sabia tê-lo
Tudo se desvanece, passado adormecido
.
Mãe – Musa dos meus sonhos de afoiteza
A palavra amiga, a energia, a doce certeza
Quando partires, algo de mim, irá contigo
.

quarta-feira, 25 de abril de 2018

Guerra do Ultramar, Pide, cruel ditadura



Guerra do Ultramar, Pide, cruel ditadura
Vozes sem alma, tantas palavras por dizer
Prisões, escravos, desaparecidos, ditadura
Humilhação, fechados sorrisos, vil sofrer
.
Alvorecer, homens decididos, caminhada
Saem dos quarteis, G3 ao ombro, munições
Tomam o poder, a ditadura é encurralada
Desejos de liberdade em nobres corações
.
Depois do Adeus, Grândola Vila morena
Soam nas rádios, ouvia-se a senha, o mote
Paulo Carvalho, Zeca Afonso, voz amena
Povo nas Ruas, mostrando como se é forte
.
Surge a multidão, soltam-se presos, liberdade
Uma liberdade de carácter, alegria, expressão
Soltaram-se os sorrisos em sons de felicidade
E da força do Povo ouviu-se a voz do coração
.
O cravo na mão duma criança, arma pousada
No seu cano foi colocada como bala de amor
Sorria o soldado que dessa acção abençoada
Cravo de liberdade, chamou a tão ditosa flor



segunda-feira, 23 de abril de 2018

Amor e Paixão = Simetria das emoções

(Imagem da net)
.
Amor é como fogo que pode ser passageiro
Nos refresca o peito,  nos queima e satisfaz
Odes de paixão que nos agarra em primeiro
Mas que de ferir, de maltratar, amar é capaz
.
Amor é maresia, o pôr-do-sol, a luz divinal
Várias cores, nuvens escuras, voz de ternura
Arco-íris, céu azul, flor de perfume matinal
Barco arpoado, onda bravia, satisfação pura
.
Num instante arrasador pode rolar a paixão
Onde bebemos o elixir do deslumbramento
Tantas vezes o amor cria feridas no coração
E a brisa da paixão atenua o vil sofrimento
.
Diz-me o querer que o amor pode equilibrar
E juntar-se à paixão na simetria de emoções
E nossos mútuos desejos se possam enlaçar
E vivermos o amor e paixão,  sem restrições
 ...
Autor: Ricardo Águia-Livre

domingo, 22 de abril de 2018

Não era tempo, de ter tempo, de te conhecer...


Não era o tempo de te conhecer
Nem o espaço estava perfumado
Lá fora as árvores dançavam
A música tocada pelo vento
Lembrando valsas emudecidas
.
Não era o tempo, dentro do tempo
De beijar os teus lábios sedutores
De te sentir tremer em meu peito
Nas simetrias ilógicas dos olhares
Nem esquecer o aromas das flores
.
Filas do tempo em sentido inverso
Letras sem som nas paredes opacas
Lábios rasgados pingando sedução
Na luz clara das vidraças sem tempo
Sentia-se o sol quente da esperança
.
É o teu olhar o artículo do prazer
Que invade a minha alma fechada
Nas assimetrias do pensamento
E num tempo que urgia no tempo
Cheguei a tempo de te conhecer
.

terça-feira, 17 de abril de 2018

Romantismo, a voz da fina cicatriz


 I Love You 4!

Não sei se o romantismo merece confiança
Se o mundo se revê na voz dos românticos
Se o seu coração chora como uma criança
Musicais de amor em herméticos cânticos
.
O romântico é um sonhador que embora
Tantas vezes pareça ser um adolescente
Olha o Céu, viaja no tempo, conta a hora
Respeita a velhice, abraçando docemente
.
O romântico declara-se através do coração
Mostra a sua ternura quando amando, diz
Amo-te meu amor, amo-te cheio de paixão
Mesmo que na sua alma fique uma cicatriz
.

sábado, 14 de abril de 2018

És o meu caminho incerto.



Em teu olhar revejo a minha parte incerta
Partes do um sentimento por mim vivido
Onde nomadiza minha paixão tão deserta
Nela o beijo que de ti não tenho recebido
.
Fiz de ti o meu desejo, meu refúgio e arte
Por estradas solitárias andei meio perdido
Gotas soltas por não saber como amar-te
Caíram dos meus olhos em pesar sentido
.
Olho com amor e em teu sorriso me revejo
Dentro do silêncio do desenho de um beijo
Relembro palavras escritas de pura ilusão
.
Penso que nas entrelinhas d'um tempo ido
Não posso desejar um amor desconhecido
Pois esse não sabe viver em meu coração
.

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Deixar vaguear o imaginário



Por vezes deixo vaguear o imaginário
E escrevo versos depressa demais
Elaboro textos sobre paisagens brancas
Onde a neve é pisada por esquiadores
Onde brincam crianças e seus pais
.
Escrevo poemas sobre igrejas e santuários
Lanço para o papel ideias sem cores
Letras de vida em avalanches sem horários
Inspirações em fontes de pureza e ternura
Não sei se caminho pela vereda certa
.
Se deambulo pelas diabruras da poesia
Ou se os meus instantes são calvários
Escritos em palavras de fantasia
Ritmos de salão dançadas pelo momento
Onde as letras são cantadas em sintonia
.

domingo, 8 de abril de 2018

Desígnios da Vivência.



Nas emoções que a vida me ofertou
Corre uma lágrima de amor profundo
Guardo um sonho que ao meu fundo
Por ironia do destino, nunca chegou
.
São meus delírios como rosas floridas
Que escurecem as suas cores de prata
Sinto os espinhos como golpes de faca
Guardo um caderno de rimas perdidas
.
Vagueio pelo mundo que parecia certo
Calco areais, piso calçadas, duro chão
Guardo-te em mim em frágil sensação
Lembro tanto beijo d'um sabor incerto
.
Foi um mal, um dia ter-te conhecido
Nas incertezas da promessa imatura
Em que tudo brilhou na noite escura
Luz que, para sempre,viverá comigo
.

terça-feira, 3 de abril de 2018

Ouvindo as Estrelas iluminadas



Digo-vos que ouço as estrelas. Certo?
Juro que não minto! Direi no entanto
Que ao ouvi-las tantas vezes desperto
E olho o céu, tranquilo de espanto
.
Trocamos nossos segredos, enquanto
As vejo iluminando em espaço aberto
São a fantasia em lágrimas de pranto
Espalham a sua luz pelo céu deserto
.
Talvez agora digam: alucinado amigo
Fala com as estrelas? Não faz sentido
O que te dizem quando estão contigo?
.
Rindo, digo-vos: Sei como entendê-las
E amando-as, todos terão puro ouvido
Capaz de ouvir e perceber as estrelas
...

sexta-feira, 30 de março de 2018

Renascer ... Doce e Feliz Páscoa


Todos os dias o Sol nasce no além
Todos os dias são dias de um sorriso
Todos os dias são momentos de renascer
Todos os dias deve brilhar o olhar
Todos os dias olha o seu filho lindo
Todos os dias esse espera o seu carinho

Todos os dias nasce um mundo novo
Todos os dias se renovam os pensamentos
Todos os dias renascemos dentro de nós
Todos os dias são dias de espalhar amor
Todos os dias surgem as noites e a luz
Todos os dias caminhamos no improviso

Todos os dias acordamos para sermos felizes
Todos os dias devemos ser o Sol e a Lua
Todos os dias devemos amar e não odiar
Todos os dias deve existir amor no coração
Todos os dias deve ser o nosso dia em que
Todos os dias, nasce a luz … Renascemos

BOA PÁSCOA

quarta-feira, 28 de março de 2018

Por ti, caminho pelo infinito desnudado


Visto esta roupa sem cor no delírio desnudado
Dorido e acorrentado a tudo o que me foi dito
Tornei-me dos sentimentos, um audaz escravo
Que pelo teu amor, caminha feito um proscrito
.
Religioso na ambição de um dia ser abençoado
Do teu sorriso, me confesso, habitar no infinito
Em que o teu amor esteja ao meu corpo colado
Cobrindo minha nudez com vestes de requisito
.
Tudo o que os meus pensamentos me oferecem
São efervescências que minha mente, aquecem
Laivos de vivência que tanto me têm castigado
.
Sabes tu meu amor as cores que estou vestindo
Roupas coloridas que me falam de ti, mentindo
E assim vou caminhar pelo infinito desnudado
.