sábado, 8 de dezembro de 2018

Amar na Paz do Vento


Sou como o vento que areja as orlas do mundo
Procurando um destino, um oásis, de frescura
Onde minha sede se sacie, num mar profundo
E o teu sorriso seja maresia de mélica candura
.
Procuro-te através dos arvoredos mais abertos
Onde o som dos teus passos eu consiga ouvir
Que o meu amor me leve através dos desertos
Onde encontre os teus lábios de amor, a sorrir
.
Outono, folhas caídas em olhares inconstantes
Vazio desfolhar por ventos trocados, distantes
Que sopram velozes acabando por nos afastar
.
Terras de além que carinhos o vento nos trará
Se nos depararmos,  é porque o amor vencerá
Na paz do vento nossos egos se possam amar
 .

sexta-feira, 30 de novembro de 2018

Amor sentido e adornado

Imagem relacionada

O fogo do teu corpo embriaga-me os sentidos
Embala o meu coração, acalma o meu ego
Sufoca os meus sentimentos incompreendidos
E deixa o meu coração, sem rumo, frio e cego
.
Altera-me a disposição e a minha atitude atenta
Olho-te de soslaio, sinto-me carente e impulsivo
Porque o teu coração, para mim, representa
O remédio que cura o meu sentimento sensitivo
.
É teu corpo uma faísca que me incendeia
Que retira de mim toda a sagaz inocência
És a labareda que pelo meu corpo vagueia
Que me queima e domina a inteligência
.
Desejo-te nesta alucinação flamejante
Quereres despidos, afáveis e apaixonados
Entrega-me o teu corpo em amor cintilante
E eu cuidarei dele com esmeros cuidados
.

segunda-feira, 26 de novembro de 2018

Procuro-te nos versos do mundo


Toco uma estrela. Procuro-te nos versos do mundo
Como se o teu olhar fosse minha propriedade
Em meu coração existe um amor profundo
Olho as estrelas. Uma delas, és tu na verdade
.
Procuro-te por entre a luz de um luar apaixonado
Pétala de uma flor que existe  me perfumando
Resides como um lírio no meu coração cansado
Auréola de amor, o meu coração, iluminando
.
Procuro-te sabendo que estamos tão distantes
Não sei se te vou encontrar ou até conhecer
Sei que já nos encontrámos e olhámos antes
Pois sinto que já te amo mesmo antes de nascer
.
Já fomos amantes noutras épocas percorridas
Quando eu era um pobre e solitário vagabundo
Mas em meu coração as promessas esquecidas
São estrelas. Procuro-te nos versos do mundo
.

terça-feira, 20 de novembro de 2018

És a minha roseira ... feita amor.



Se fosses uma roseira, desabotoando em flor
Será que te amava tanto como sei que te amo
Mesmo que fosses um espinho, triste na dor
Amar-te-ia no ouvir do teu nome que chamo
.
Planta rosácea em jardim que o amor encerra
Escondida por espinhos de dura sensibilidade
Vivendo no obscuro dos sentimentos da terra
Secretamente enche os corações de felicidade
.
Se o amor fosse a verdade da sombria afeição
Não haveria no mundo nenhum pobre coração
Nem o imaginário uma imprudência traiçoeira
.
Não teriam as roseiras espinhos maus e duros
Nem o amor viveria de pensamentos impuros
Todos os jardins, teriam o perfume da roseira
.

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Amor num desejo celestial



Perante ti, minha querida, que amo tanto
Reconheço, este meu imaginário obsceno
Amo-te demais, docemente, e no entanto
Quero-te num desejo intenso, e tão pleno
.
Amar-te, será sempre, a minha fatalidade
Querer-te, olhar-te, sentir teus embaraços
Serão a magia, que determina a felicidade
Que sinto, quando recebo os teus abraços
.
Adormeço contigo num sorriso, nem sei
Que por algo impuro, porque abandonei
O teu corpo ligado ao meu desejo carnal
.
Sei que te amo, que com amor, te desejo
O que não daria para receber o teu beijo
Ofertado por amor num desejo celestial
.

quinta-feira, 8 de novembro de 2018

Olhos de paisagens misteriosas


São os teus olhos paisagens misteriosas
Flores campestres, perfume permanente
Sendo suas pétalas, vis arestas perigosas
Que iluminam meu coração, tão carente
.
Confesso palavras de silêncio trovejante
Cintila o teu olhar nas vozes silenciosas
Sussurros audíveis em desejo de amante
Sensações de afecto, honras, carinhosas
.
Olhar fixo, porta da alma, doce carinho
Olhar brejeiro, luz aclarando o caminho
Cintilante pensamento, aurora, maresia
.
São os teus olhos, jardins de fresca flor
Espinhos que prendem este nosso amor
Caminhos cruzados que iluminam o dia
.

quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Areais de Além-Mar em Amor Celestial


Sento-me sobre a frescura do areal
Ouço os murmúrios das ondas, chegando
Em estímulos de uma viagem terminada
Voltam as águas, ternamente ao mar
Parecendo namorados se beijando
Onde o mundo é um pouco de nada.
.
Olho o além. Um barco navega indiferente
Envolto pela nebulosidade de cor nenhuma
Pés molhados. Sinto os suspiros dos areais
Perco-me no irreal e num olhar envolvente
Embriago-me na suavidade da alva espuma
Onde os meus delírios são silêncios fatais
.
Aprecio a agitação das ondas no seu chegar
Que abafam os esgares do meu pensamento
Acalma-se o meu corpo pelo fresco da maresia
Perguntam as ondas porque chora o meu olhar
Não lhe sei responder, porque se calhar
São a fonte e a ternura da minha fantasia
........................................

sábado, 27 de outubro de 2018

Amor sentido na solidão dos silêncios


Hoje, pelas 16H00, estive presente, no Encontro de Poesia, na Biblioteca Municipal Ary dos Santos - Sacavém, onde li o poema, da minha autoria, que se segue:

São os teus olhos o meu caminho de fresca paisagem
Que me inebria os sentidos no silêncio do entardecer
Como um barco que encara as ondas na sua viagem
Assim é o teu olhar, que perfuma, todo o meu viver
.
Sendo as estrelas, um campo florido, pétalas de amor
Que espalham em meu coração o aroma da esperança
Silenciando os sentidos que embargados na doce flor
Afluem ao meu olhar o mélico sorriso de uma criança
.
Através do teu amor, qual emoção na noite silenciada
Pelos desvarios do imaginário na sua livre caminhada
Desatinos do meu coração que de afecto tanto padece
.
Afasto os lençóis, desligo a luz, e no sorriso da ilusão
Afasto a tristeza de sem ti, viver o silêncio da solidão
Sentindo como o meu ego, pensando em ti, adormece
.

quarta-feira, 24 de outubro de 2018

Folhas caídas sem vida


(foto minha)
..................................

Neste jardim ergue-se a vida maltratada
Folhas caídas, entrelaçadas em desamor
Ontem viçosas, hoje beleza amortalhada
De um encanto que perdeu todo o vigor
.
Folha traída por um Outono sem perdão
Lindas flores que perfumaram o recanto
Hoje jazem qual mortalha de ingratidão
Esquecidas por quem as enalteceu tanto
.
Unem-se as folhas numa agonia sem cor
Vencidas pela tempestade e … desalento
Outrora perfumando em alegria sem dor
São agora folhas sufocadas pelo lamento
.
Parecem sussurrar num choro incontido
Numa prece vazia em escolha resignada
Folhas mortas por um tempo concebido
Onde a vida é tudo, no implacável nada
.

sábado, 13 de outubro de 2018

Máculas de envolvência



É meu amor, ondas do mar em movimento
Inspirado na força da aragem, mero desejo
Deixo nos areais minhas preces e lamento
Esperando que das águas surja o teu beijo
.
Fecho os olhos, penso em ti, me atormento
Por não ser a voz, qual harmonia em chama
Na crueldade da dissonância do sentimento
Que me arde na alma e meu sorriso inflama
.
Vagas no vago dos círculos da vil ventania
Molham e secam as máculas da fina ironia
Quando as ondas se beijam tão longamente
.
Que nosso amor perdure no tempo devido
Que nunca se sinta pelas marés, envolvido
E que a ondulação nos abrace, novamente
.