terça-feira, 14 de novembro de 2017

Comparo o teu sorriso a uma noite de luar


Comparo o teu sorriso  a uma noite de luar
Teus lábios ao fulgor do aroma de uma flor
Teu corpo às ondas de afecto vindas do mar
Que trazem palavras de serenidade e amor
.
Equiparo a tua ternura ao sol de Primavera
À fresca aragem que meus sentidos, extasia
Teus beijos têm a harmonia de uma quimera
Fazendo meu devaneio viajar pela fantasia
.
Teu corpo exala perfume de um amor fraterno
Abrasa meu pensamento como sol de inverno
Em raios de fervor que meu peito faz aquecer
.
Nas noites em que o luar é minha companhia
Penso em ti e toda aquela veemente nostalgia
Me diz que és a principal razão do meu viver
.

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Circulam claridades pelo meu imóvel olhar


Passo pela rua, olho para o andar primeiro
Fico parado, esperando ver a luz do teu ser
Nostálgico, porque me entrego por inteiro
E nem o teu lindo sorriso consigo merecer
.
Olho a tua janela, avisto uma ténue alvura
Luz ligada, serena, qual estrela que dança
Imagino teus passos, torneados de postura
Idealizados em meus sonhos de esperança
.
Circulam claridades pelo meu imóvel olhar
Fixado na ilusão de ver tuas vestes de amor
Circulando naquela penumbra doce e sadia
.
Saltita meu coração por o quarto se iluminar
Surges vestida de luz, qual sombra, feita flor
Sozinho na rua, ao meu olhar, foste fantasia

.

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Não me olhes com esses olhos de adoração

...
Não me olhes com esses olhos de adoração
Não me beijes como se beija quem se ama
Não excites a libido do meu pobre coração
Que pelo teu solta ais de veemente chama
.
Não me chames de amor em forma delicada
Não desnudes o som dos termos da idolatria
Não sorrias, quando não ofereces mais nada
Fazendo tão triste a luz da noite e sol do dia
.
Não deixes que este tormento que me devasta
E que de teu coração tão impiedoso me afasta
E me esmaga o imaginário a todo o momento
.
Faça do meu pensamento uma rima de ironia
Que pensando em ti meu amor seja zombaria
Do que já foi um tão transparente sentimento
.

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Amar é um sentimento que nasce em flor

...

Amar é um sentimento que nasce em flor
Que se rega com vocábulos de fidelidade
Que é sorriso, tristeza, sentimento e dor
Quando a palavra se disfarça de verdade
.
Amor nasce, não se inventa, não se implora
Não se brinca com a estirpe do pensamento
Lágrima é tristeza de um coração que chora
Quando a mentira é vil corte do sentimento
.
Coração que ama, desabafa na cor do sorriso
Entrega-se em delírio no limar do improviso
Deambula pelas frias arestas da lúcida ilusão
.
Salta sem rede por declives de dor e tristeza
Acredita que em seu redor só existe a beleza
Caindo muitas vezes em fundos de desilusão
.

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Gostava que a chuva chegasse em trovoada

...................................
Faz tanto calor. Eu queria que chovesse
Ver as serras verdes, limpas de negrura
Ver pessoas sorrir, embora não esquecesse
Como os incêndios devastam a serra pura
.
Torpes as afeições de baixos compêndios
Que devastam serras, chamas impiedosas
É sofrido lutar contra nefastos incêndios
Sabendo serem de mãos vis e criminosas
.
Gostava que a chuva chegasse em trovoada
Que acalmasse as mágoas de gente cansada
Dando algum sossego ao seu triste coração
.
Que chegue essa água por todos tão desejada
Trazendo amor em tónico de água abençoada
Que "enxugue" as lágrimas doridas de aflição
.

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Restas de saudade escorriam pelo seu rosto triste

.....................................

Sentada no areal, suas lágrimas caiam, em prantos
Olhar distante. Mar de tristeza. Ombros descaídos
Seus cabelos serpenteavam soltando seus encantos
Agonia de amor em imagens e desejos desabridos
.
Seu amor viajava no além em oceanos absolutos
Parecia ter-se esquecido de seus choros sentidos
Deixou uns olhos de lágrimas infelizes, enxutos
Não vendo como eram seus soluços consumidos
.
Nostalgia no silêncio do seu coração apaixonado
Lágrimas libertas molhavam seu sorriso cansado
Pingos de amor em alma de mulher desesperada
.
Restas de saudade escorriam pelo seu rosto triste
Na solidão do momento em que nada mais existe
A não ser prantos doces aguados de água salgada
.

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Sou a intrépida água em que mergulham paixões e a solidão

....................................
Sou a intrépida água em que mergulham paixões e a solidão
Cujo solar inferior se hasteia e me concerne perfeito sorriso
Ondas de carência que abrem chagas em meu doído coração
Tremidas ondas em que se esvai o amor quando dele preciso
.
Qual peixe que percorre águas turvas entre a dor e o cansaço
Nadando em águas profundas, sobe à superfície para respirar
Chorando em saudade a dor separada, do teu saudoso abraço
Quando sinto a agreste e triste efervescência de tanto te amar
.
Ventanias obscuras que isolam o agitado furor da decadência
Que sobram da reciprocidade, qual infiel aroma, do teu beijo
Gélido nocturno murmurar das ondas trazendo tanto desatino
.
Que esbatem nas escarpes em sussurros de tortura e ardência
Fazem ressoar nos calados rochedos, gemidos do meu desejo
Exalando vapores de água molhando meu corpo, meu destino
..............................

sábado, 30 de setembro de 2017

Sabe o teu coração, o meu amor sentido

......................................
Sabe o teu coração, o meu amor sentido
Que te pertence e jamais se vai embora
Como uma adaga em corte emperdenido
Perfurante punhal que me fere e devora
.
Por ti sinto meu coração bater, tão ferido
Pelas promessas que me fizeste, outrora
Gotas de suor dele escorrem, tão dorido
Dores de alma. Pálidas lágrimas, agora
.
Iluminado é o sol que à noite se esconde
Trôpegos passos que caminham até onde
Imagino tua luz de amor poder encontrar
.
Sinto nesta alma devota, para ti sincera
Que o nosso amor se esfumou, quimera
Como é triste o sonho e o meu caminhar
.

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Idosa mulher que, calada, olhas em desnorte

.....................
Idosa mulher, que olhas pela janela, cansada
De olhar perdido num terno pôr-do-sol, além
Pele de duras canseiras de outrora, enrugada
Sorriso sereno, desnudo de amor, de alguém
.
Idosa mulher, lábios secos, em boca fechada
Vazios seios que um dia aleitaram outra vida
Oca mensagem em palavras enxutas de nada
Cabelo branco pelas agruras de alma vencida
.
Idosa mulher, que olha o além, qual infinito
Faces de beleza mostrando seu olhar bonito
Olhar de ternura, parecendo esperar alguém
.
Idosa mulher que, calada, olhas em desnorte
Esperas o momento em que a esfriada morte
Não deixe que outro alguém te chame: MÃE
.

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Uma paixão de fel, não quero, não preciso

...................................
Tantas vezes quando só, me estudo, analiso
Gostos maus, procuro em vão, esquecê-los
Uma paixão de fel, não quero, não preciso
Gestos bons, meu coração, quer recebê-los
.
Escuto meu coração, que pesquiso, estudo
Quando sinto espasmos de amor, repetidos
Aguarelas pingam em meu corpo, desnudo
Ferida voz da alma, sarando meus sentidos
.
Noite fria que frágil me acolhe, na preguiça
Fecho os olhos e imagino em cálida justiça
Como teus beijos, a alma me enriqueceram
.
Olho o céu e vejo como as estrelas brilham
Nos caminhos que a noite obscura, trilham
E que os meus olhos nunca se esqueceram
.......................