quarta-feira, 29 de agosto de 2018

Viver sem tempo


Se uma voz rouca soasse em tempo
Quando o tempo por si, escurece
Ninguém diria em destempo
Que tem aquilo que merece
.
Não o diria, porque dizendo
Iria contra as leis da vida
Pois existe a voz do querendo
Que mesmo assim não tem saida
.
Talvez um grito de amor abafado
Por um qualquer contratempo
Seja o grito de um coração cansado
Cansado pelo próprio tempo
.
Tempos existem de sol e vida
Outros, de total incompreensão
Nem sempre a voz mais querida
Sabe falar dentro do coração
.
Talvez as palavras sejam ditongos
De um tempo de principio, meio e fim
E quando os tempos são longos
Não exista tempo para viver assim

7 comentários:

  1. Bom dia, Ricardo!
    Como eu costumo dizer; Um poema tristemente belo! Li e reli...e fico-me por aqui!

    Beijo.

    ResponderEliminar
  2. Inspiração melancólica e lindamente trazida em poesia! abraços, chica

    ResponderEliminar
  3. O poema deixou-me sem palavras. Lindo.
    :))

    Bjos
    Votos de uma óptima Quarta-Feira

    ResponderEliminar
  4. Bom dia, Ricardo!
    Que o Tempo amenize a dor do amor abafado!
    Tenha dias felizes e abençoados!
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderEliminar
  5. Um poema muito belo apesar de muito dolorido.

    ResponderEliminar
  6. O tempo que vai cerzindo a nossa vida e a transforma em pequenos instantes de eternidade… Gostei muito do seu poema, Ricardo.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar

Gostou do que leu? Se gostou deixe uma palavrinha. Se não gostou deixe na mesma ... Leve consigo o meu agradecimento pela sua visita, quiçá, também comentário. Obrigado de coração.