sexta-feira, 28 de novembro de 2008


São raios de luar que caiem
sobre a minha mente

Fogachos de alerta
que docemente

Me avisam da tua
existência

Até pode ser
demência

Mas em consciência
Penso em ti

alegremente
.

4 comentários:

  1. Demência???
    Não há demência, quando o amor é puro.

    Sublime poema!
    Adorei!

    Bom fim de semana

    Beijos.

    ResponderEliminar
  2. É (quase) pena seres benfiquista ferrenho.

    ResponderEliminar