domingo, 15 de fevereiro de 2009


Olho os areais por águas batidos
Sinto o bater do coração
A paz; a ilusão
Mexo na areia molhada
Sentimentos em desfolhada
Sorriso de esperança
Voz calma da paixão
Ouço o canto duma sereia
É a frescura da areia
Que me envolve; me acalma
Vejo as gaivotas na sua dança
No seu olhar em "voz" calada
Vejo as águas que baloiçam
Em ondas de alta voltagem
Que me refrescam
Com a sua doce chegada
Me transmitem a felicidade
Quando na suavidade
Olho os areais por águas batidos
Que parecem chamar por ti

5 comentários:

  1. Acho que te safavas melhor se fosses passear para um centro comercial. Mas pronto... Há horas para tudo.

    ResponderEliminar
  2. O mar é sempre nosso comparsa quando se fala de amor..
    Lindo poema.
    beijo

    ResponderEliminar
  3. QAmor é uma complicação,que nem cntro comercial...

    ResponderEliminar
  4. Porque me vou ausentar, a partir de hoje à noite e até meados da próxima semana, não poderei, neste período, fazer, como tanto gosto, as habituais visitas e comentários.

    No entanto deixarei programado (assim espero!) um post para ser publicado na quinta-feira (Anita) e outro para domingo, que, se quiseres, podes ir ver.

    HOJE, AINDA, TENCIONO PUBLICAR NO LÍRIOS.

    Até ao meu regresso.
    Bom Carnaval.

    Beijinhos
    Mariazita

    ResponderEliminar