quinta-feira, 8 de abril de 2021

Saudades da minha Terra

 

Saudades da minha terra
Onde canta a bela cotovia
E onde se ouve o rouxinol
Trovas que o amor encerra
Em timbrada melodia
Lembrando o nascer do sol
.
Palavras que vos escrevo
Abrindo o meu coração
Que recorda o que já viveu
Viver de saudade não devo
Nem viver da recordação
E só se escrever serei eu
.
Preciso tanto de vos falar
Silêncio é ser noite no dia
Não sei ser o que não sou
Por isso gosto de recordar
Cânticos de fina sinfonia
Que o rouxinol me ensinou
.
Paisagens estou recordando
Da bonita terra onde nasci
Que me fazem a vós dizer
Sei que vos estou amando
Sem a minha terra eu vivi
Sem vós, já não sei viver
.
..................................

"" R y k @ r d o ""
.

55 comentários:

  1. Aquel que está fuera de su tierra sabe todo lo que se extraña y aunque no se puede vivir del recuerdo a veces este nos alivia. Un abrazo y feliz dia.

    ResponderEliminar
  2. Lindas saudades que tão bem te inspiraram. Um amor também a imagem! abraços, chica

    ResponderEliminar
  3. Hola, precioso poema, y Bonita foto.
    Feliz día.
    Saludos

    ResponderEliminar
  4. Olá Ricardo!
    Que lindo o poema e a foto eu também tenho muitas saudades da minha terra eu apanhava passarinhos com os meus irmãos tudo isso para mim é mágico...um beijinho e resto de uma boa semana.

    ResponderEliminar
  5. Mal conheço a terra onde nasci.
    A cidade invicta é a minha terra — cidade que me viu crescer.
    Düsseldorf é a terra onde os meus ossos repousarão para sempre.

    Gostei do teu poema, Ricardo, assim como do passareco da imagem.
    Beijinho da amiga de longe com algumas saudades do Porto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Teresa

      Posso saber o que te prende assim tanto a Dusseldorf que te impeça de regressar ao Porto ou a outra terra de Portugal? É o amor, amor. Ou é o amor à cidade? ( só respeondes se assim o entenderes )

      Deste amigo recebe um beijinho suava e lírico como é o canto do rouxinol.

      Eliminar
    2. Os mesmos amigos portugueses que me fazem essa pergunta, a última vez que estivemos juntos, olharam para mim e disseram „Teresa, tu pareces uma „punk“. Claro que não sabem o que é uma „punk“ — eu só tinha um casaco de cabedal preto e o cabelo um pouco em desordem.

      O que eu quero dizer é que é AQUI que me sinto livre, absolutamente livre.
      Os meus amigos alemães gostam de mim e da minha excentricidade.
      Embora eu ame o Porto, é uma cidade provinciana.

      Um motivo ainda mais grave — eu sentia ainda mais a morte da minha mãe (que morreu de saudades minhas) se eu regresse à minha casa.

      Aceito o teu beijinho e pergunto, se o pároco da tua paróquia está de acordo que tu beijes uma agnóstica?!

      Eliminar
    3. Teresa

      Olha que nem tudo o que parece é. Refiro-me ... ao pároco da minha paróquia ...
      Ai ai garota se tu me conhecesses pessoalmente ias ficar "excêntrica" de admiração, lol.
      Boa sorte para o teu Porto no jogo de hoje com o Chelsea. Que ganhe e, se possível, folgadamente. Eu gostava acredita

      Beijinhos onde mais...ok já não escrevo mais nada, lol

      Eliminar
  6. Interessante coincidência este poema! Eu e o meu marido mudamos há pouco tempo da cidade para a terra dele na aldeia. Estamos na casa que era dos meus sogros. Precisa de restauração e vamos fazendo como podemos. Voltamos ao tempo da simplicidade e temos a nossa hortinha! Este poema tocou-me particularmente! Abraço!

    ResponderEliminar
  7. Boa tarde Ricardo,
    Um poema belíssimo em que a saudade está bem presente.
    Não há como o solo e encantos que nos viram nascer.
    Um beijinho e ótimo dia.
    Ailime

    ResponderEliminar
  8. Tão bonito e suave. Felizmente, há a escrita que reduz as saudades.
    Gostei muito.
    Uma tarde tranquila e poética para si, Ricardo.

    ResponderEliminar
  9. Olá, Ricado, lindo poema que canta a saudade!
    Uma leitura muito agradável, parabéns!
    Uma boa semana, com saúde, paz e esperança!
    beijo

    ResponderEliminar
  10. Quando a saudade aperta, ficam as memórias.
    Bjn
    Márcia

    ResponderEliminar
  11. Obrigada! Gostei muito do seu testemunho de vida! Eram tempos difíceis mas eram bem melhores nas coisas essenciais do que hoje em dia. Hoje há muito, exige-se muito e valoriza-se pouco! Abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bella

      Sem dúvida alguma. Concordo consigo na íntegra
      Abraço e muitas felicidades .

      Eliminar
  12. Um poema muito bonito, com nuances de melancolia! É a vida... :)
    -
    Deixei flutuar meu pensamento...
    -
    Beijos e um excelente dia!

    ResponderEliminar
  13. Coincidência.
    No blogue da Cidália comentei que tenho saudades de tudo.
    Abraço

    ResponderEliminar
  14. Ricardo, a nossa terra sempre trás saudades, saudades de coisas boas, Ricardo abraços.
    http://www.lucimarmoreira.com/

    ResponderEliminar
  15. que bonito saudades ai pois tenho tantas mas bom lindo poema bjs

    ResponderEliminar
  16. um poema belo na sua saudade da terra que lhe é mãe.
    gostei!
    beijinhos
    :)

    ResponderEliminar
  17. Belas recordações aqui descritas, neste lindo poema!
    Parabéns, amigo Ricardo!

    Ótima quarta feira!
    Abraço amigo!

    ResponderEliminar
  18. Queria ir ver a tua terra ao Google maps, qual é?
    :)

    ResponderEliminar
  19. E o nome da maternidade, da igreja do teu baptismo, da escola primária, da tua professora, dos teus amigos, da tua equipa de futebol, da equipa adversária, da marca do mercurocromo que punhas nos joelhos, etc.
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Recordo isso tudo incluindo a "maternidade". É que nasci debaixo de um sobreiro, na sua sombra, ao ar livre, pois a minha mãe trabalhou até ao minuto em que nasci. Era uma grande mulher, uma mãe perfeita, que infelizmente me deixou - maldito convid-19 - no passado dia 25 de Fevereiro de 2021.

      Sim usei muito mercurocromo pois tinha a mania que era um menino (bom jogador) E até era, lol

      Eliminar
    2. Um nascimento histórico. O Sobreiro merecia uma homenagem! :)
      -
      Tempos, tempos que não voltam
      Nem o sobreiro onde nasceste
      Decerto que o rasto lhe perdeste
      Apenas recordações se soltam
      *
      Oh meu querido sobreirinho
      Traz-me essa famosa sombra
      Será que meu olhar se deslumbra
      Ou me deixa dormir um soninho.
      :)
      Beijos

      Eliminar
    3. Obrigada por me contares como foi. És especial, e para mim também o és.
      Um beijinho.
      :)

      Eliminar
  20. Se levavas com o chinelo ou com a colher de pau...
    eheheh

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem com uma coisa nem outra. Já com o cinto do pai... isso é outra conversa, lol

      Eliminar
    2. :) o meu pai era mais de castigos psicológicos, a minha mãe era mais para os físicos, palmadas com a colher de pau; as crianças sentiam-se tão desobedientes que estendiam a mão de livre e espontânea vontade para levarem. Na minha opinião, nem foi bom nem mau, foi a vida. Por falar nisso, actualmente na minha casa não se sabe o que é obediência nem desobediência. O que também não é bom nem mau, mas ficámos muito individualistas.
      :(

      Eliminar
  21. A nossa terra sempre nos impregna de um amor semelhante ao que sentimos pela nossa mãe.
    Gostei do poema.
    Abraço e saúde

    ResponderEliminar
  22. Pois eu, tal como a nossa amiga Teresa, também mal conheço a terra onde nasci.
    Mas sinto sim, uma saudade imensa do país onde cresci: Moçambique.
    Ricardo, desta vez a saudade inundou essa alma poética e criou um belíssimo poema/desabafo. Adorei!
    Beijo, muita saúde.


    ResponderEliminar
  23. Belas palavras. É importante valorizar a terra e a natureza como você fez nessa poesia.

    Boa semana!

    Jovem Jornalista
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderEliminar
  24. Boa tarde Ricardo, saudades de ouvir os sabiás cantar.

    ResponderEliminar
  25. La añoranza se la atribuye tanto a portugueses como a gallegos pero todos creo añoramos nuestra tierra cuando estamos lejos.
    El poema es de gran belleza.

    Saludos.

    ResponderEliminar
  26. Nobre Poeta, RICARDO !
    A Terra Natal é uma fonte inesgotável
    de inspirações !
    Este teu belo Poema, é uma prova disto.
    Parabénbs, uma feliz semana e um
    fraternal abraço, aqui do Brasil !
    Sinval.

    ResponderEliminar
  27. Como hoje me disse o brancas nuvens negras bonita poesia compreensível.
    😊

    ResponderEliminar
  28. Oi Ryc@rdo lindo poema, imagino como é ter saudades do lugar onde nascemos, crescemos e passamos parte da nossa história.
    Sempre existe a esperança de voltarmos, mesmo quando essa esperança fica cada vez mais longe de alcança-la.
    Abraços,Vi

    ResponderEliminar
  29. Lindo demais o seu poema, que fala de algo comum a todos nós; a saudade. Que ela nos traga na memória paisagens como a descrita no texto. Abraços poéticos!

    ResponderEliminar
  30. Tenho o privilégio de viver no meio da cidade mas sempre rodeado de natureza e bicharada.

    ResponderEliminar
  31. Onde vivo tem um pedaço de natureza,escuto os grilos e outros pássaros,vejo voar lindas borboletas. Vejo árvores e plantas daninhas. Sempre que posso vejo o amanhecer mais bonito que conheço.
    O céu daqui é diferente dos de lá,minhas terra tem encantos que não são vistos em nenhum outro lugar.

    ResponderEliminar
  32. Nostálgico sentir poético. Lindo poema amigo Ricardo. Saludos.

    ResponderEliminar
  33. Revi-me neste teu poema porque as saudades da minha terra são mais que muitas.
    Beijos e um bom dia

    ResponderEliminar
  34. Um poema muito bonito e nostálgico, Rykardo.
    Beijos da Espanha

    ResponderEliminar
  35. Palavras plenas de saudade, num poema maravilhoso.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  36. Una añoranza legítima ,cuando se ha sido feliz en esa primera aldea de nuestro caminar.

    Buen finde.

    ResponderEliminar
  37. Me imagino como debe ser ese dolor Ricardo
    Estar lejos de tus raíces, de tu patria, la que te vio nacer, y de tus seres queridos
    debe doler mucho.
    Excelente poema dentro de su nostalgia.

    Feliz fin de semana. Abrazo

    ResponderEliminar

Gostou do que leu? Se gostou deixe uma palavrinha. Se não gostou deixe na mesma ... Leve consigo o meu agradecimento pela sua visita, quiçá, também comentário. Obrigado de coração.