quarta-feira, 21 de agosto de 2019

Destino ... solitária vivência.



Quando penso nos sonhos, outras eras
Em que passeei pelos veredas do tempo
Até me parece que vagueei sobre esferas
Sentindo-me livre, solto, como o vento
.
Até parece que vivi uma vida diferente
Onde fui jovem, vivi outras Primaveras
Vida que tão depressa, tão de repente
Passou a estradas solitárias e severas
.
Tantas vezes penso, olhando o destino
Onde fui um jovem solto, libertino
Quiçá um passageiro dum trem sem fim
.
Ri, saltei, chorei em tarde fresca e calma
Deixei correr as lágrimas saídas da alma
Tantas vezes, escondidas, dentro de mim
...

4 comentários:

  1. Aleluia! Bem vindo aos poemas!!

    E para regressares, brindastes-nos com um soneto magistral. Onde se encontram tantas verdades nas entrelinhas!! AMEI!

    Lugares sombrios, saudáveis...
    Beijos e um excelente dia.

    ResponderEliminar
  2. Gostei de ler
    bonito poema
    Abraço
    Kique

    Hoje em Caminhos Percorridos - Duplo sentido...

    ResponderEliminar
  3. O Poeta No seu melhor. Adorei :))

    Boa tarde...

    Numa visita, para marcar apenas presença, esperando a vossa compreensão... devidos a compromissos inesperados:-Existem desejos que esperam - | Poetizando e Encantando |

    Bjos
    Votos de um óptimo Fim-de-semana

    ResponderEliminar
  4. Maravilhoso seu poetar, Ricardo.
    Cheguei aqui através de seu comentário no blog da Cidália.

    Nunca mais visitou meu blog. Pq, se visita e comenta em outros?

    Feliz noite de sábado

    Donetzka

    ResponderEliminar