domingo, 4 de janeiro de 2009

Quadras que escrevo - VIII

E o homem entre zumbaias às raparigas
Seguia pelas áleas com ares superiores
olvidando-se que a sua voz eram intrigas
Mofatras em promessas de amores

Da sua mofina lamentava-se a mulher
Quando à sombra do macheiro, chorava
Lágrimas despidas de um sonho qualquer
Que caíam sobre a giga que levava

O velhusco sentado em gastos degraus
Pensava nos anos outrora vividos
Recordava o velívago, entre as naus
Que soubera acaudelar em tempos idos

8 comentários:

  1. Cultura acima da média. Gostei muito das rimas de encadeiam em cada verso.
    Paula

    ResponderEliminar
  2. Lindps versos.

    Um abraço e uma semana de luz.

    beijooo.

    ResponderEliminar
  3. Espectacular! Gostei de ir ver o significado dessas palavras que me parecem novas. Tenho pena é de me voltar a esquecer. :´(
    Não fazia a mínima ideia do que eram zumbaias nem do que eram mofatras.
    Isto foi no Alentejo?
    :)))

    ResponderEliminar
  4. L

    Não propriamente, mas por exemplo.

    :))
    .

    ResponderEliminar
  5. @Pelos caminhos da vida

    Obrigado pela gentileza

    Beijo
    .

    ResponderEliminar
  6. @Paula

    Cultura acima da média?

    Logo a minha que sou um modesto arrumador de veícles, lol

    Beijo
    .

    ResponderEliminar
  7. Esta coisa de obrigar os arrumadores a terem formação académica tens k se acabar...Lool
    Já escrevi ao socrates, mais licenciados NÃO!
    Lá tenho k andar de dicionário debaixo do braço LooooL
    beijinhos! Gostei! ;-))

    ResponderEliminar