sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

Quadras que escrevo - Parte II

Sobrevive o homem na sua biboca
Como rato que foge da maresia
Mas sente-se quando neles se toca
A sua coragem e alegria

Querendo sair do seu Averno
Pisando campos avelados
Rezava por amor eterno
Chorando tempos passados

Enquanto acendia o seu candil
Pensava em forma, sorridente
Que bela vida de estudantil
Que levava certa gente

Era estudante da vida
Querendo o seu espírito desafreimar
Queria esquecer-se de dor sentida
Queria no sonho navegar

Querendo dos seus trapos desentravar
Olhava de viés para quem passava
E sorria por não encontrar
Sorrisos nos rostos que olhava

Comia o pobre a sua pada
E o rico refeição faustosa
Mas em som ovante cantava
Odes com a sua consorte gloriosa

4 comentários:

  1. Desencantas cada uma! Lá tenho eu que ir ver o que é "biboca"! Se ao menos me parecesse que era boca a dobrar, passava à frente.
    :)))

    ResponderEliminar
  2. L

    Biboca = Baiuca
    Baiuca = Casa pequena e miserável; ...

    (*_*)

    ResponderEliminar
  3. Bonitas palavras, que aqui me deixam a sonhar...

    Beijos e Feliz 2009!

    ResponderEliminar
  4. Extremo bom gosto este texto, palavras que norteiam nossas mentes, às vezes carentes de ideias e sonhos.

    Um Feliz 2009

    Abraços

    §ρΗІПЖ

    ResponderEliminar