segunda-feira, 27 de julho de 2009

Amor ... esquecido

Amor que te dei e deixaste morrer
Esquecido nas sombras da reflexão
Abriste a mão e não quiseste saber
Como ficou sofrendo este coração

Amor que morreu, por ti esquecido
Fechado no pensamento sem mágoa
Como um rio seco, vazio e sofrido
Onde o leito dana por fresca água

Meu amor, meu viver, sem esperança
Uivo de sofrer na descrente lembrança
Nos fortes sentimentos que sinto partir

Antes morrer cansado, como um seco rio
Que ver partir do coração fibras sem fio
Um amor sincero que nunca soube mentir
.

9 comentários:

  1. Nem tudo que parece morto, verdadeiramente pode estar... existem momentos na vida que é melhor nos fazermos de morto para não ter sofrimento maior...
    Mas teu soneto está lindo!
    Parabéns, beijos luz

    ResponderEliminar
  2. Olá RosanAzul

    Tens razão. Quantas vezes a gente vê e não quer ver.

    Mas se calhar o não querer ver ... também é ver.
    .

    ResponderEliminar
  3. Um triste poema triste, mas muito bonito na sua forma de escrever este sentimento de abandono diante das coisas que não dependem só da gente...
    abraço, ótimo domingo

    ResponderEliminar
  4. ..amor ,amor nunca morre ..fica(só) adormecido..jamais esquecido..


    Amigo poema lindo ,doido,sentido!Noite boa de domingo!
    Beijusss!*

    ResponderEliminar
  5. Bonito soneto, parabéns!

    Estou um pouco ausente mas espero conseguir regressar com a mesma assiduidade que tinha até finais de Agosto.

    Beijinhos,
    Ana Martins

    ResponderEliminar
  6. Lindo e triste poema, como triste também é ver um sentimento tão lindo como o amor cair no esquecimento...

    Bom fds!

    ResponderEliminar
  7. Olá amigo,

    Mais triste que um amor triste,
    é a tristeza de nunca ter amado.
    Um abraço carinhoso,
    Dalinha

    ResponderEliminar