sábado, 23 de maio de 2009

Ao cimo ... o Amor


Caminho na infinidade dos montes
Por veredas de ansiedade contida
Bebendo água em genuínas fontes
Levando na alma a tua voz amiga

Recordações de afastado alvoroço
Lhaneza de um coração que amou
Águas de fontes em redondo poço
Que por amor a minha sede matou

Chegado ao cimo da árdua vertente
No peito a labareda de amor quente
Secando as minhas sentidas emoções

Cai o cansaço de alcantilada subida
Para te encontrar doce alma querida
Subo ao monte pelas tuas recordações
.

5 comentários:

  1. sempre em grande estilo

    Post. MQB

    beijinhos poeta
    ..

    ResponderEliminar
  2. Nossa, a cada vez que venho aqui encanto-me mais um pouco com tuas palavras...

    Lindo!!!

    Bjos em teu coração!!!

    ResponderEliminar
  3. é caminhando por montes e vales que subindo por aí mais próximo me sinto do meu verdadeiro Eu.

    ResponderEliminar
  4. Agradecia que retirasse a foto do Castelo de MOntemor desta postagem.
    Obrigada

    ResponderEliminar