quarta-feira, 16 de maio de 2018

Coração na magia dos sentidos


Dei-te o coração, a magia dos sentidos
Da minha dura vida, destino traçado
Os meus poemas desnortes sofreram
As armadilhas solitários dos gemidos
Dos versos tristes do delírio cansado
Dos meus olhos lágrimas correram
.
Lendo os poemas onde rimas completei
Onde a alma alguns desgostos destilou
E os versos foram o cristal da desilusão
Escrevi palavras que confesso nem sei
Se nas letras a branco, alguma lá ficou
Como sinal do carinho do meu coração
.

10 comentários:

  1. Só há uma forma de amar: completamente.
    Lindo poema!

    ResponderEliminar
  2. Mais uma poema Sublime! Amei
    Parabéns Poeta!

    Beijos - Boa noite!

    ResponderEliminar
  3. Uma maravilha de poema.
    Deu prazer ler e reler.
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  4. Bom dia. Mais um poema brilhante :))

    Hoje:- Não sofras por não me teres, não é verdade.

    Bjos
    Votos de uma óptima Quinta - Feira

    ResponderEliminar
  5. OLá, Ricardo!
    Se nada ficar do seu carinho doado, ficará a consciência reta de ter dado seu melhor... assim é a vida de um modo em geral.
    Seja muito feliz e abençoado junto aos seus amados!
    Abraços fraterno de paz e bem
    https://espiritual-marazul.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  6. Boa tarde, Ricardo,
    "Escrevi palavras que confesso nem sei
    Se nas letras a branco, alguma lá ficou
    Como sinal do carinho do meu coração", versos que mostram todo amor contido no peito de alguém que amou,e foi feliz em alum momento da vida. Muito bom. Abraços!

    ResponderEliminar
  7. A memória dos sentidos num poema muito belo.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar