quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Silêncios de mar em desamor tardio



Rocha, nobre companheira de marés tardias
Ondas de nostalgia, silenciosas, flutuadoras
Vento que traz grãos do areal, frases vazias
Olhando as águas que namoram, tentadoras
.
O mar é a imensidão do desigual e desamor
Atraente à sensação que nos oferece à alma
Traz afecto em ondas magnéticas de louvor
Que refresca a minha mente em tarde calma
.
Assim quando a tristura me procura e atenta
Na frescura duma pedra que silêncio ostenta
Repousa o meu sorriso em libertina ligação
.
Imagino-te meu amor de corpo tão ausente
No meu pensamento estás sempre presente
Arejada rocha que asserena o  meu coração
.

25 comentários:

  1. É com os grandes poetas que se aprende. E eu, confesso, tanto aprendo aqui. Um poema de amor ausente, fascinante
    .
    Visite
    * A Mulher ... e o olhar matreiro da Serpente *
    .
    Deixando abraço e beijo

    ResponderEliminar
  2. Boa noite Ricardo!
    Os Grandes Poetas são assim. Trazem-nos boas pérolas poéticas. AMEI. Parabéns

    Beijinhos de boa noite

    ResponderEliminar
  3. Poesia e foto lindas! abraços, tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
  4. Grande poema
    Abraço
    https://caminhos-percorridos2017.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. Um soneto dedicado ao mar e a tudo aquilo que ele nos releva e mostra, mas sobretudo a quem está triste e dele precisa para desabafar e limpar o olhar.

    Quando a tristeza o invade e o procura, senta-se numa pedra, já banhada pelas águas e aí medita na sua amada, que apesar de não estar por perto, fisicamente, se instala no seu pensamento e tudo fica sereno à sua volta.

    A forma literária escolhida, aliás é habitual por aqui, está mto rica em vocabulário e imagens mentais e foram respeitadas as regras de um soneto. Que coisa difícil de fazer, acho eu!

    Parabéns e continue escrevendo, pois daqui a uns meses, ainda escreverá melhor. A escrita é o contrário de aprender a andar de bicicleta, como costumo dizer.

    Abraço e boas poesias, Ricardo!

    ResponderEliminar
  6. Bom dia ao Poeta. Li e deliciei-me com tão belo poema. O Mar é grande inspiração dos poetas. Adoro.
    Parabéns.


    Bjos
    Fim de semana feliz

    ResponderEliminar
  7. Belíssimo soneto Ricardo!
    Você é o poeta com louvor em grandes inspirações.
    Parabéns.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  8. Estar sempre presente no coração...buscando o poeta a infinitude do amar!!
    Grata pelo carinho de sempre na minha página...ok?
    Abraços com carinho.

    ResponderEliminar
  9. Um poema lindo como é lindo o coração do Poeta!
    :-)

    Bjus

    ResponderEliminar
  10. Olá Boa tarde! Um lindo poema, saudoso mas a magia do mar trás lembranças profundas e nesse caso de um grande e inesquecível amor.
    vim agradecer sua visita e conhecer seu blog. Seguindo pois amei suas poesias. Fique a vontade para seguir os meus. Abraços

    ResponderEliminar
  11. Finalmente passando por aqui, para agradecer as suas amáveis visitas, Ricardo, lá no meu canto em artandkits.blogspot.com e que ainda não tinha tido oportunidade de agradecer... e aproveitando para conhecer este espaço super agradável... dedicado à boa poesia, pelo que me apercebi... e já me encantando com o poema que acabei de ler...
    Belíssima inspiração! Parabéns!... Pela minha parte, sempre que me for possível, cá estarei espreitando as novidades!...
    Feliz fim de semana! Um grande abraço!
    Ana

    ResponderEliminar
  12. Caro Ricardo, belo soneto repleto de sensibilidade, paixão e criatividade. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas um ótimo fim de semana.

    ResponderEliminar
  13. Sim, o mar diz- nos tanto.
    Quando estou mais em baixo também gosto de ir ao pé dele. Pena morar longe, não é que a tristeza me invada muita vez mas gosto de o ouvir.
    Boa noite Ricardo

    R: pois, a minha gata não sei, mas pelo menos já fechou a boca lol

    ResponderEliminar
  14. COMENTÁRIO

    (SONETO)

    MAR A VOZ DOS POETAS


    UM SONETO ONDE FIGURA
    O MAR CANTADO POR POETAS
    DESDE CAMÕES COM A TERNURA
    A DINAMENE E PROFETAS

    O MAR CANTADO POR PESSOA
    NA SUA ODE MARÍTIMA
    DEIXA EM NÓS O QUE RESSOA
    NÃO É PRIMEIRA NEM ÚLTIMA

    POEMA FLORBELA ESPANCA
    CANTA MAR O RICO O POBRE
    FLORBELA TAMBÉM SE ENCANTA

    UM INFINDÁVEL NOME CANTOU
    PELO MAR DE ANTÓNIO NOBRE
    RICARDO MAR D'AMOR ESCUTOU




    LEYRENO-COIMBRA, 17/02/2018



    ResponderEliminar
  15. E no silêncio deixo um beijinho de admiração por tão romântico poema.

    ResponderEliminar
  16. Um soneto bem rimado e cheio de nostalgia
    mas bem escrito
    beijinhos
    :)

    ResponderEliminar
  17. Olá Ricardo,
    O mar faz transbordar a saudade e traz
    lindas inspirações e doces devaneios...
    Muito bonito o poema!
    Beijos ;)

    ResponderEliminar
  18. https://poemasdaminhalma.blogspot.pt/
    Olá Ricardo, passei por aqui e confesso que tinha saudade da sua maravilhosa poesia. Dos encantos do mar e dessa melancólica nostalgia. Adorei!..
    se quiser-me visitar é sempre um prazer.
    Abraço e ótimo Domingo
    Luisa Fernandes

    ResponderEliminar
  19. Bela mensagem :D

    http://submersa-em-palavras.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  20. Mais um belo soneto com a sua criativa assinatura.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  21. O mar embala os nossos sonhos e liberta a nossa imaginação.
    Maravilhoso soneto.
    Um abraço
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderEliminar
  22. Excelente poema, parabéns.
    Gostei imenso.
    Continuação de boa semana, caro amigo.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  23. Triste e nostálgico mas duma inspiração divina!
    Um poema com palavras e emoções perfeitamente escolhidos, onde o mar é testemunha da dor da alma.

    Adorei amigo....um abraço

    ResponderEliminar