segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Tempestade entre Silêncios


Não brilham as estrelas, sopra um frio vento
Chove. Fecham-se as janelas à firme negrura
Vidraças molhadas. Altera-se o pensamento
Surge o triste sorriso através da noite escura
-
Isoladas vozes ouvem-se no silêncio da rua
Abafadas pelo troar dos intrépidos trovões
Chega a tempestade. É a Ana que vem nua
Para amaldiçoar almas e enxutos corações
.
Nome de mulher. A Ana que chega molhada
Traz vida, felicidade, quiçá sólida enxurrada
Que a pessoas e campos, oferece simpatias.
.
Árvores nascendo. As queimadas agradecem
As sementeiras ressurgem, se engrandecem
Pelas barragens deixarem de estar tão vazias
.

9 comentários:

  1. Olá, Ricardo!
    Como sempre, brilhas com os teus sonetos.Não há palavras!! AMEI.

    Beijo e uma excelente semana.

    ResponderEliminar
  2. Boa tarde, Ricardo, um soneto cheio de vibrações da natureza, parece-nos ouvir os trovões, os ventos, a chuva apagando os incêndios, as sementes germinando e no calor de tudo a vida ressurge. Lindo! grande abraço!

    ResponderEliminar
  3. Boa tarde. Um soneto que retrata bem o momento.LINDO.

    Hoje:-Prometeste-me um dia d'amor em alto mar.

    Bjos
    Óptima Segunda-Feira

    ResponderEliminar
  4. Caro Ricardo, belo momento lírico, através deste soneto. Ah, não sei se existe uma causa, ou é simples coincidência, mas, hoje vi em três poemas de poetas portugueses a expressão Ana vem chegando, ou Ana está passando, enfim, a ideia central é Ana, isto é acaso?
    Um abração daqui do sul do Brasil. Tenhas uma ótima semana.

    ResponderEliminar
  5. Voltei. Meu caro, soube através da nossa amiga Cidália, que ANA é o nome do temporal ocorrido, em Portugal, no dia de ontem.
    Um abração.

    ResponderEliminar
  6. Que lindo expressar tanta coisa importante no soneto.

    bjokas =)

    ResponderEliminar
  7. Poeta amigo Ricardo, bem tirastes a inspiração da tempestade que por aí passa, um nome sugestivo, de mulher, ANA, aqui não temos tempestades assim, mas em muitos locais do meu Brasil há muitas chuvas que fazem estragos!
    Lindos versos, um soneto ímpar, amei ler e fazer ideia do que é uma "tempestade fantástica"!
    Assustadora, mas creio que deve ser lindo de se ver, amo a força da natureza, escrita assim em versos então, nossa, lindo demais!
    Abraços apertados!

    ResponderEliminar