terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Caem dos céus gélidas águas em pranto

......
Caem dos céus gélidas águas em pranto
Gerando friamente fulgores e cansaços
Fazem lembrar doces lírios,nobre manto
Lençóis de luz, desejos dos teus abraços

Olho as nuvens que caminham em delírio
Deixando cair suores e pedras delicadas
Causando arrepios entre outros martírios
Partículas de amor, entre chuvas e nadas

Arco-iris de luz, trespassa o céu chuvoso
Parecendo iluminar um coração doloroso
Que caminha ao sabor de afectivo desejo

Alma húmida em pingos de nuvem escura
Correm pelo meu rosto em ávida procura
Desejando de ti apenas um simples beijo
..............................

9 comentários:

  1. Lindo de morrer, ai que saudades ai ai
    Beijo de um local muito longinquo

    ResponderEliminar
  2. Novo poema com a genialidade dum mestre da poesia! Elaboração perfeita de versos, emoções e rimas! Que palavras mais poderei dizer quando sei que elas serão sempre parcas para te elogiar...já sabes que adoro a tua poesia...um abraço e semana feliz

    ResponderEliminar
  3. Tive que comentar de novo...é um crime não elogiar esta imagem...uma escolha extraordinária e perfeita

    ResponderEliminar
  4. SOBERBO este teu poema... mais um para juntar ao teu baú das pérolas. Definitivamente és um Poeta de mão cheia. Muitos parabéns.
    Todas as palavras serão poucas para descrever o tipo de pessoa/Poeta que és. Resta-me agradecer pelo facto de te poder ler. Obrigada.

    Beijo

    ResponderEliminar
  5. Ah que belíssimo soneto, Ricardo!
    Como o tempo atmosférico consegue inspirar uma procura baseada num forte desejo interior de afectividade.
    Gostei muito.
    Tem uma bela semana.
    xx

    ResponderEliminar
  6. Muy bello, solo un profundo sentimiento inspira este poema
    Abrazos

    ResponderEliminar
  7. Un simple beso, pero al final, nos inunda el alma
    Besos Ricardo

    ResponderEliminar
  8. Que saudade que já tinha destes poemas.Este é um dos mais belos que li aqui.Parabéns

    Beijinho

    ResponderEliminar
  9. Belíssimo poema, Ricardo
    Parabéns!
    Beijos.

    ResponderEliminar