quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Papoilas vermelhas, flores de vida ...

.......................

Papoilas vermelhas, flores de vida
Campo de trigo dourado
Nossos olhares se encontraram
Lenço na cabeça, foice na mão
Naquele dia de verão
Palavras ao vento, flor derretida
Nosso amor tinha chegado
Nesse encontro de ocasião

Olhaste para o trigal, 
Sorriso envergonhado
Olhei para o céu, 
Em olhar desencontrado
Fim de tarde, hora de terminar
O dia de trabalho, onde te fui encontrar
Recreada, pujante em energia
Deixaste que a foice cortasse
O trigo que ali ao vento dançava
Mas que o teu olhar já não via

Perguntei-te qual o destino
Baixaste os olhos, envergonhada
Falaste, não percebi nada
Com um sorriso, divertida
Mostraste que nos campos de trigo
Perante olhares de carinho
Existem papoilas vermelhas, flores de vida
.


20 comentários:

  1. Prova de amor numa recordação poética, que poema tão lindo
    Beijo

    ResponderEliminar
  2. Recordações, lembranças, amores...Saudades d'outros tempos. Lindo maravilhoso.
    Parabéns pela tua sensibilidade e alma poética que tens. Escreves como ninguém!!

    Beijo

    ResponderEliminar
  3. Campo de trigo, papoilas vermelhas, uma mulher que ceifa e o surgimento de um homem que parecendo brincar com ela, acaba por terminar num grande amor.
    Arrepiei-me de tanto carinho
    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Sempre genial dando às palavras um sentido poético que encanta quem lê.
    Sem dúvida o meu poeta preferido em toda a dimensão do valor de uma sensibilidade única na forma de fazer poesia e entrar no coração das pessoas sonhadoras
    Flores vermelhas flores de vida. Frase linda
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Nem sei mais que diga além do que já foi dito...por mais que escreva seria sempre pouco para definir este poema...reflecte um TODO maravilhoso e deixa-nos extasiados com tanta beleza sentimental...um beijinho e continua assim...

    ResponderEliminar
  6. lindo! O amor chega assim, não marca hora. O aspecto surpreendente é o que há de encantador no amor.

    ResponderEliminar
  7. Rosaria Marques Marques11 de setembro de 2014 às 18:44

    Mostraste que nos campos de trigo
    Perante olhares de carinho
    Existem papoilas vermelhas, flores de vida
    ....Quanta subtileza no reviver um amor.. Mais um maravilhoso poema que escreves-te.
    Grata por mo permitires ler. Um bj.

    ResponderEliminar
  8. Gostei muito deste poema, fez-me lembrar a minha adolescência, em que até brincadeiras existiam. Muito descrito e sentido.
    bj

    ResponderEliminar
  9. Oi Ricardo eu adoro essas flores,aqui no Brasil chamamos de Papoulas.rsrs
    Lindo seu poetar.
    bjs
    Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  10. Campos de trigo e papoilas vermelhas
    Sonhos revoltados pelos ventos na searas
    A força do amor que nos desperta ...
    Obrigado pela partilha.

    ResponderEliminar
  11. Oi, Ricardo
    Linda poesias das papoilas.
    É lindo ver um tapete de papoilas
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  12. Quando o amor chega é tudo tão lindo!!
    Juntou com o trigo e as papoilas ficou muito bonito!
    Adorei lê a papoilas vermelhas,flores da vida...
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  13. O amor não tem hora marcada para acontecer, se tivesse seria paragem de autocarro. :-)
    A ti aconteceu-te num campo de trigo, e nunca mais esqueceste.
    As papoilas são uma das minhas flores preferidas.
    Lindo, Ricardo!
    xx

    ResponderEliminar
  14. OI RICARDO!
    QUANDO NOS ENVOLVEMOS COM O CORAÇÃO NO QUE ESTAMOS ESCREVENDO, SAEM PÉROLAS COMO ESTA QUE AQUI POSTAS.
    LINDO DEMAIS.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  15. Adoro papoilas e gostei muito do poema.

    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
  16. Entre flores e trigais a semente floresceu...horizontes em tez deslumbrada de alegria, molhos de cores re(luz)entes e uma calma a(paz)iguadora, em mistérios ao redor do coração...no enigma destina envolvido...para germinar as sementes…!

    Um lusco-fusco de imagens retém-me no local ...em sorrisos sem tempo!

    Belíssimo poema!

    ResponderEliminar
  17. AMEI! Lindíssimo poema que nos transporta para um amôr vivido nos campos alentejanos!

    GABY

    ResponderEliminar
  18. Olá, caro amigo que ainda não conheço! Conheci seu blog através grande amiga Nelma Ladeira. Perca um tempo e faça uma visita a mim;tenho lá uma notícia que talvez lhe interesse.
    Abraço.
    P.S - já sigo o blog.

    ResponderEliminar
  19. adoro papoilas meu querido Ricardo,acho que adivinhas o que gosto.....um beijnho

    ResponderEliminar