segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Amor entre o cravo e a rosa...

(Imagem da net)


Nasceu a rosa em jardim dourado
Entre flores de transparente pureza
Um cravo a observava apaixonado
Em deslumbre pela sua real beleza

Trocaram promessas de olhares sérios
Até a rosa de pétalas brancas, adoecer
Sofria o cravo na salva dos mistérios
De um Outono que fez a rosa morrer

Ficou o cravo sozinho e abandonado
No seu jardim ressequido e queimado
Não mais via a sua rosa, lindo  amor

E num desgosto profundo de solidão
Viu vergar-se o seu infeliz coração
E morreu desgostoso na sua fina dor
.

18 comentários:

  1. Bom dia!!!
    O cravo e a Rosa, não tem como dar certo esse amor... São diferentes demais!
    Mas, enquanto há esperanças, há de se lutar.
    bjs
    Excelente semana
    Ritinha

    ResponderEliminar
  2. Bom dia Ricardo.. tá ai algo que ficou bem versado.. os versos se deleitam em tudo desta vez foram as flores rsrs lindo dia abração

    ResponderEliminar
  3. A perda remete a tristeza. Mas a esperança tem que reinar.

    ResponderEliminar
  4. Boa tarde, Ricardo!

    Este cravo sofre por amor
    Tendo sua rosa no coração
    Não aguenta, este...tanta dor
    Acabando por "morrer" de solidão!

    Diferente: Mas...Lindo;-Maravilhoso;- Adorei...PARABÉNS

    Beijo

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. BOM DIA MEU QUERIDO !
    O POEMA É MONÓTONO MAIS DEIXA UMA GRANDE LIÇÃO ...PARA QUEM AMA...
    BJS

    ResponderEliminar
  6. Adorei esta metáfora do cravo e da rosa para falar de como ao fim e ao cabo se pode morrer por amor. Morre-se lentamente, muito lentamente, mas morre-se por dentro.
    Adorei este poema, Ricardo!
    xx

    ResponderEliminar
  7. Morrer de amor pode ser poético, mas não é preciso...Outros amores surgirão!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Que pena não é... nem sempre as história de amor tem finais felizes... Que linda! Um abraço poeta.

    ResponderEliminar
  9. Triste , sofrido ,mas belíssimo poema!
    Pode-se viver, morrendo de amor!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  10. Que história linda mais triste mais o poema é belo, Ricardo passando pra desejar uma ótima semana beijos.
    http://www.lucimarestreladamanha.blogspot.com.br

    ResponderEliminar
  11. Oi.
    Um poema muito sugestivo para ilustrar a estação das flores.
    Grande abraço, com afeto.
    Em divina amizade.
    Sonia Guzzi

    ResponderEliminar
  12. Boa noite, Ricardo!

    Fez do seu soneto uma metáfora.

    Ele, cravo, simbolizando o homem, ela, rosa, simbolizando a mulher.

    É mesmo assim, como diz no seu poema, que ficam quase todos os cravos, quando as "suas" rosas, um dia partem.

    Alguns não morrem fisicamente, mas psicologicamente ficam destroçados.

    A solidão, a falta de companheirismo, de um desabafo, até de um arrufo, fazem tanta falta a ambos, mas muito mais ao homem, que, em minha opinião deve tentar encontrar outra "flor".

    São quase 23h30m e só agora, tive tempo para ver as atualizações. De qualquer maneira, queria que ficasse com as minhas palavras, esta noite.

    Boa semana.

    Um abraço, de paz.

    ResponderEliminar
  13. Hoje vim agradecer sua visita!!

    Desejar sucesso sempre, e deixar uma frase que gosto muito!!!

    A Verdadeira coragem é Ir Atrás De Seus Sonhos Mesmo Quando Todos Dizem Que Ele é Impossível.

    ( Cora Coralina )


    Bjussss eternos!!

    └──●► *Rita!!

    ResponderEliminar
  14. O amor apenas idealizado vai murchando como as flores. E enquanto queda, provoca dor. Abraço.

    ResponderEliminar
  15. Olá Ricardo,adorei seu poema sobre o cravo e a rosa.
    Lembra quando eu era criança! Lindo!!
    Adoro sempre sua visita,e tudo que escrevo é verdade.
    Te desejo um ótimo fim de semana,cheio de alegrias e amor>>>Beijinhos.

    ResponderEliminar
  16. Olá Ricardo, música e poesia é uma combinação perfeita.
    Lindos poemas encontro aqui.
    Este, me fez lembrar minha filha no tempo de pré-escola: era seu conto preferido, cantado.
    Abraços

    ResponderEliminar
  17. Olá amigo, um soneto lindo que amei demais. Aos poucos vou voltando à vida. Beijos com carinho

    Diz o cravo para a rosa
    Não sejas tão tagarela
    Lá porque és tão formosa
    Não tens que ser a mais bela.

    ResponderEliminar
  18. Olá amigo, um soneto lindo que amei demais. Aos poucos vou voltando à vida. Beijos com carinho

    Diz o cravo para a rosa
    Não sejas tão tagarela
    Lá porque és tão formosa
    Não tens que ser a mais bela.

    ResponderEliminar