terça-feira, 9 de outubro de 2012

Recordações


Quando penso em prosas sobre esferas
Cogito em ti bonina, cristalina e querida
Pensamentos recônditos de outras eras
Que surgem em mim como prova de vida

E dos meus lábios, boca triste e dolorida
Mágoas reverentes, abandonadas e severas
Saem palavras em voz melodiosa e sentida
De um amor sentido em outras Primaveras

Pensativo, olho o além do arrefecido tempo
Faço das ideias, paradigmas de pensamento
Sorrio por momentos meditando outro-sim

E deixo vaguear a alma como águas em lago
Olho em frente num olhar desabitado e  vago
E recordações não saem de dentro de mim

*

2 comentários:

  1. ...Lindo,maravilhoso...Gostava de saber de onde te vem tanta inspiração..

    Já sabes, algum dia que publiques um livro, sou a tua fã Nº1 ok :))

    ResponderEliminar