segunda-feira, 17 de setembro de 2012

A "caneta" de vida



És o rumor do vento
Meu  alento
Aragem que me refresca
Sol que me aquece,
que me enlouquece
Este atenuar de gente
que me faz viver.
És a purpura reluzente
a flor, botão de luz
A fantasia, o acordar
o sonhar permanente
A calma do meu adormecer
a "caneta" de vida
que me faz escrever
Páginas de amor
Sem o entender
Como uma rosa nascida
Num jardim em Flor
És a fina emoção
o ardor, o desejo
o sabor de um beijo
dado sem tempo
És a esperança
O contentamento
 como folha que dança
Numa música feita de vento

1 comentário: