sábado, 4 de fevereiro de 2012

Vento


Sou o vento que ninguém vê

A aragem do sentir o sentimento

O viver cada simples momento

Sem saber bem a razão e porquê


É o adverso do próprio pensamento

A linha, a estrada, o ângulo recto

Verdade em minuto de lamento

A sombra do próprio prospecto


Sou a vontade do simples ensejo

O sorriso da fantasia do desejo

Dado numa imagem permanente


Sou o teu imaginário em pacata vida

Talvez a aragem fria e esquecida

Neste beijo que te envio docemente

Sem comentários:

Enviar um comentário