sábado, 29 de setembro de 2018

Conhecer-te foi loucura



Recordo as horas vividas, cansadas
Chegou o Outono, a água nos ribeiros
Folhas caindo, ventos primeiros
Gotas rebeldes, ondeiam transviadas
.
Encontrei-te na história, vida incerta
Sonhos e fantasia, passos e esteiros
O teu olhar, versículos verdadeiros
Doação da mente, beijo na hora certa
.
É teu corpo a poesia, a sensibilidade
A luxuria, o momento, a suavidade
A encosta mais alta da doce ternura
.
Perdi-me por entre ondas, nos medos
Na carência, na magia dos degredos
Onde conhecer-te foi a maior loucura

8 comentários:

  1. Boa tarde. Deixo a minha admiração pelo Poeta e autor deste blogue. Um poema sublime. Mts parabéns.:))

    Hoje » Um sonho de nada

    Bjos
    Votos de um óptimo Sábado

    ResponderEliminar
  2. Boa tarde, Ricardo!
    Li e reli...e apenas me apraz uma palavra! SOBERBO!
    A M E I

    Beijos e um excelente fim de semana

    ResponderEliminar
  3. Boa Tarde, Ricardo!
    Ser encosta de ternura é doce ao paladar do coração.
    Deus te abençoe muito!
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderEliminar
  4. Gostei muito deste soneto, Ricardo.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  5. Por muito grande que tenha sido a loucura fico com a ideia que valeu a pena.

    ResponderEliminar
  6. Boa tarde, Ricardo,
    soneto belíssimo, no qual coloca a sua tristeza, e arrependimento.
    "Perdi-me por entre ondas, nos medos
    Na carência, na magia dos degredos
    Onde conhecer-te foi a maior loucura", com certeza, foi uma loucura boa.Parabéns! Abraço!

    ResponderEliminar