segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Uma paixão de fel, não quero, não preciso

...................................
Tantas vezes quando só, me estudo, analiso
Gostos maus, procuro em vão, esquecê-los
Uma paixão de fel, não quero, não preciso
Gestos bons, meu coração, quer recebê-los
.
Escuto meu coração, que pesquiso, estudo
Quando sinto espasmos de amor, repetidos
Aguarelas pingam em meu corpo, desnudo
Ferida voz da alma, sarando meus sentidos
.
Noite fria que frágil me acolhe, na preguiça
Fecho os olhos e imagino em cálida justiça
Como teus beijos, a alma me enriqueceram
.
Olho o céu e vejo como as estrelas brilham
Nos caminhos que a noite obscura, trilham
E que os meus olhos nunca se esqueceram
.......................

7 comentários:

  1. Leio, leio, leio, e continuo a ler tal é o meu fascínio por tão brilhante poema. É assim o amor, Uns dias melhor outros nem tantos. Mas quem ama, não esquece.

    ResponderEliminar
  2. Muito lindo e todos nós preferimos sempre gestos bons e não coisas que façam mal! abraços, chica

    ResponderEliminar
  3. Belo soneto, meu caro amigo poeta Ricardo. Belo momento lírico. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma ótima semana.

    ResponderEliminar
  4. Mais um excelente poema, escrito por um Poeta de alma e coração muito sensível. Parabéns Ricardo! Amei.

    Beijos
    Boa noite

    ResponderEliminar
  5. Paixões de fel magoam o coração e a alma.
    Belissimo poema
    Boa semana
    Um abraço
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderEliminar
  6. Sempre maravilhosos os seus poemas!
    Muitos parabéns Poeta.

    Bjocas

    ResponderEliminar
  7. Como sempre...soberbo!!!

    Encantas quem te lê! Tuas palavras e emoções arrepiam todos os sentidos! E é isso que te confere valor e és um grande poeta!

    Beijinho grande

    ResponderEliminar