segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Não me peças que sinta por ti, finos fios de enleio

...........................................
Não me peças sorrisos quando a tristeza me acolhe
Nem beijos de amor quando sinto em mim, cansaço
Nem que corra pelo areal, nem que o mar me molhe
Pede-me sim, que deixe essa tristeza em teu abraço
.
Não me peças doce ternura quando sinto queixume
Nem carinhos fingidos, nem promessas elaboradas
Não me faças viajar por labirintos, arestas de lume
Pede-me um beijo, sentindo mossas bocas coladas
.
Não me peças que sinta por ti, finos fios de enleio
Nem sentimentos de dor, nem vocábulos de receio
Nem desejes que minha alma se feche, dor pesada
.
Não me peças que te olvide, nem teu beijo, esqueça
Pede-me sim, que meu olhar, teu coração, enriqueça
Para que nosso amor, seja mélico, como uma balada
.......................

9 comentários:

  1. Muito linda,o amor como inspiração! abraços, linda semana,chica

    ResponderEliminar
  2. Não tenho palavras para elogiar tão lindo poema! Um dos mais lindos que já aqui li, e foram tantos. Mas é muito difícil avaliar os teus poemas. És um enorme Poeta. Surpreendes-nos cada dia. SOBERBO!
    PARABÉNS

    Beijo e uma excelente semana

    ResponderEliminar
  3. Linda poesia!
    Olvidar é uma palavra que depende do nosso cérebro.
    Eu jamais olvidarei meus a"amigos".
    Linda poesia escritor.
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  4. Quando deixa marcas é porque foi INTENSO. Mesmo que seja uma essa DOR que sentimos pela sua ausência. O melhor remédio é o TEMPO.AbraçO

    ResponderEliminar
  5. Belo soneto, meu caro Ricardo. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma ótima semana.

    ResponderEliminar
  6. Um poema intenso e cheio de emoções que, mutuamente se confrontam. Gostei muito.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  7. Continuas em expoente máximo nos teus poemas. Parabéns! AMEI.

    Uma beijoca, Amigo!
    Bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  8. Ando, quase sempre, fora de horas e só agora cheguei até cá, mas o importante é chegar.

    Não sei fazer sonetos e mto menos ser sucinta, mas vou tentar abreviar. Gosto, gosto, gosto muito do título, k deu ao seu poema. Depois, há a repetição da frase "Não me peças que" nas quadras e nos tercetos, que reforça e claro, apetece logo pedir que continue se lembrando desses beijos, desses abraços, desse suor no corpo e tanto gosto, ainda por fazer e viver.

    Abraços e desejo-lhe dias e noites bem felizes.

    ResponderEliminar
  9. Que dizer mais....simplesmente magnífico!
    Todos os adjectivos seriam poucos para definir o poder que transmite os teus poemas!
    Beijinho grande amigo

    ResponderEliminar