terça-feira, 3 de março de 2015

Ao sabor da margem corriam frescas águas

***/***
Ao sabor da margem corriam frescas águas
Em ondas que na luminosidade se beijavam
Faziam esquecer cansaços e doridas mágoas
Que por devaneio no areal húmido deixavam

Felizes as margens em cintilação floresciam
Como quem cobra afectos de amor desejado
Ouviam-se as aves que nas margens bebiam
Carinhos em água em devaneio sussurrado

Lépidas as nuvens pelo páramo vagueavam
Indiferentes às águas que seus elos deixavam
Cair em direcção ao terráqueo incandescente

São assim os amores que se deixam idolatrar
Nos desejos do coração que se sente baquear
Nas margens doutro coração em amor ardente
...................

7 comentários:

  1. Estou com dificuldade em "avaliar" o seu poema. Talvez pela sua elevada qualidade.
    Mas sei que achei bom de mais.

    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Um poema de alto gabarito.
    Como é bom estar abraçada ao amor à beira do rio, ou cachoeira, apreciando as águas correrem e recordar as coisas boas da vida...E deitar as más por água a baixo.
    Um poema ardente de lindo
    ..........
    São assim os amores que se deixam idolatrar
    Nos desejos do coração que se sente baquear
    Nas margens doutro coração em amor ardente

    *************************AMEI***********************

    ResponderEliminar
  3. Ricardo:
    Acho que já te tenho dito que és dos melhores Poetas que já li....e olha que nada entendo, derivado a ter 'o meu vocabulário' demasiado simples.

    Tu escreves com a alma carregada se sentimento e carinho... Deixas-nos o coração e a mente a vaguear sobre este DIVINO poema, tuas palavras juntamente com a imagem deixam-nos de coração derretido.
    Não será preciso dizer mais nada.
    DIVINO

    Beijo

    ResponderEliminar
  4. Um belíssimo soneto, acompanhado por uma bela imagem. E com esta música de fundo, está tudo dito.
    Parabéns!
    xx

    ResponderEliminar
  5. Já o disse inúmeras vezes...qualquer comentário meu será insignificante perante a imponência deste poema...uma relíquia com grande carga emotiva e divina...a imagem é duma beleza tal que parece sentir a água correndo...AMEI...és um poeta de louvar de pé...um abraço e noite feliz

    ResponderEliminar
  6. Um soneto tocante e com palavras de muita sapiência.
    bjs Ricardo.
    Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  7. Lindo, voltarei para ler mais, muito bom, amor é mesmo inspirador!

    ResponderEliminar