terça-feira, 23 de setembro de 2014

Não deixam desatar os apertados nós...

...*...

Sentidos impuros que vagueiam na mente
Margens de solidão num universo de vida
Pensamentos que afloram dor permanente
No acreditar de noções em justiça sentida

Verdade julgada numa reflexão de delírio
Trazida pelos devaneios secos de verdade
Geram em coração dores de forte martírio
Que impedem o sorrir da alegre felicidade

Lágrimas que correm pelas faces doridas
Antipatias de utopia em etapas vencidas
Torturas fechadas num diálogo som voz

Barco que baloiça nas correntes ilusórias
Lembranças baseadas em factos e estórias
Que não deixam desatar os apertados nós
................

22 comentários:

  1. Um grito de desespero...que resultou num poema altamente emocionante arrancando lágrimas a quem te lê...
    Tristemente soberbo!

    Beijo

    ResponderEliminar
  2. Um poema em que as palavras realçam a mágoa mas maravilhoso de ler.
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. “Angústia é um nó muito apertado bem no meio do seu sossego.”

    ResponderEliminar
  4. Que os nós se desatem e a felicidade volte a sorrir nesse coração triste e pesaroso
    O poema é lindo.
    Abraço

    ResponderEliminar
  5. Mas que poema tão bonito que nos faz estremecer de emoção, pela magoa que nos mostra nas palavras. Lindo demais.
    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Um poema é imaginar, entrar dentro das palavras e sentir a sua mensagem.
    Fiz isso e rolou uma lágrima em meus olhos. Poema cheio de beleza e dor
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Rosaria Marques Marques23 de setembro de 2014 às 15:36

    Barco que baloiça nas correntes ilusórias
    Lembranças baseadas em factos e estórias
    Que não deixam desatar os apertados nós....« Que se desatem os nós. Que fiquem só os laços ». Poema mt. emotivo. Um abraço carinhoso. Bjs

    ResponderEliminar
  8. Adorei o poema de coração. Emocionantes palavras.
    Bjs

    ResponderEliminar
  9. Soltaste o grito dentro de ti....transportaste para este poema todo o desespero contido no teu coração...fizeste todos vibrar com intensa emoção...todos sentiram a tua angústia...um excelente poeta terá que ter esse dom...de fazer "estremecer" quem o lê...um poema de forte carga emotiva...ADOREI ...um beijinho

    ResponderEliminar
  10. Pocha Vida!!! Que carga de emoções fortes, com alguma tristeza, mas adorável.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  11. Realmente existem nós bem difíceis de desatar...Há neste poema uma mágoa tão profunda que não sei se é apenas exercício poético ou verdadeira dor. Mas o que interessa para quem lê é apenas apreciar um grande poeta que consegue pôr em palavras, se não os seus males, os males de muita gente.
    Muito triste, mas um poema deste e do outro mundo.
    xx

    ResponderEliminar
  12. Um recorte de dor e desilusão nestes teus lindos versos amigo Ricardo.
    Um carinhoso abraço

    ResponderEliminar
  13. Uma obra lindíssima, retratando um sentimento nostálgico e dolorido.

    Beijos

    ResponderEliminar
  14. um soneto muito bem construído que deixa a nostalgia falar bem alto....

    :)

    ResponderEliminar
  15. Não gosto de nós, prefiro os laços!

    Belíssimo e nostálgico soneto.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  16. LINDO, LINDO, LINDO.

    Faz correr as lágrimas sem parar. Li aqui muitos sonetos e poemas e fiquei fâ de tão belo e lindo blogue, dando os parabéns ao seu autor.
    Bjs

    ResponderEliminar
  17. Um grito de desespero, que originou um belo poema.
    gostei muito
    Beijus

    Juliana Oliveira

    ResponderEliminar
  18. lindo meu amigo sao os nós da nossa vida.um beijo.

    ResponderEliminar
  19. Muito lindo Ricardo,e que sejam laços que possam ser facilmente desatados.
    bjs
    Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  20. Bom dia, as magoas criam enormes nós no nosso ser, temos é desata-los para pode seguir em frente. como sempre, "mais um belo poema bem criado."
    AG

    http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  21. Querida Cidália: o espaço do poema..permite esse desabafo..lindo demais!! bjinsss

    ResponderEliminar