quinta-feira, 15 de maio de 2014

Resides numa página só e envelhecida

...///...

Resides numa página só e envelhecida
Onde descansa o teu olhar de fantasia
Fazes do tempo, escritura de uma vida
Da remota era em que o amor nos unia

Na infinidade do momento já esquecido
Em que li essa página cheio de nostalgia
Num olhar de saudade, sorriso esculpido
Nas palavras solitários da minha poesia

Seguro robusto  essa página cheia de nada
Numa prova de amor, promessa renovada
Como açúcar amargo nas delícias do mel

Desdobro a página rugada e seca de vida
De arco-íris sem cor, por tão envelhecida
Deixando cair uma lágrima sobre o papel
...

15 comentários:

  1. As páginas ficam envelhecidas,mas as palavras ainda residem
    dentro desse livro da vida.
    Lindo amigo Ricardo.
    Bjs
    Carmen Lúcia

    ResponderEliminar
  2. Lindo e triste poema! abraços,chica

    ResponderEliminar
  3. No meio de tanto poema que já li aqui, este é mais um que podes juntar aos melhores
    Tem uma pitada de tristeza, mas talvez seja isso, e o que se lê nas entrelinhas que lhe dá a beleza. Adorei o poema! ...Estás de parabéns.

    Beijo

    ResponderEliminar
  4. Delicia de poema onde a tristeza se encontra na palavra sauydade de um amor ocorrido outrora e entretanto esquecido
    Lindo de ler e meditar
    Beijinho de amizade

    ResponderEliminar
  5. Oi Ricardo,
    Como escreve poeta! Até estou sentindo a lágrima no meu papel da vida.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  6. Mesmo nas páginas envelhecidas, há olhares, momentos, e passagens que nunca serão esquecidos...apenas ficam guardadas até uma nova oportunidade...Poema muito Bonito. Amei

    Beijinho

    ResponderEliminar
  7. mais um lindo poema, mas diz-me meu amigo porque nos revemos em todos eles???um abraço.....gosto de abraços

    ResponderEliminar
  8. Manuela Sotto Mayor15 de maio de 2014 às 20:41

    Soneto maravilhoso só possivel saido da imaginação de um grande poeta. Revejo-me em cada verso por incrível que pareça
    Bjs

    ResponderEliminar
  9. Desdobro a página rugada e seca de vida
    De arco-íris sem cor, por tão envelhecida
    Deixando cair uma lágrima sobre o papel
    .
    É de fazer chorar o coração de uma mulher
    Abraço

    ResponderEliminar
  10. Belo e triste. Assim é a vida, e a poesia. Amargura e mel.
    Bonito, Ricardo.
    xx

    ResponderEliminar
  11. Olá, Ricardo!
    És um poeta admirável!!!! Amei!
    Beijos da amiga,Soninha.

    ResponderEliminar
  12. Amigo Ricardo
    Saudades e um grande amor! Expressas num belo poema!
    Um abraço
    Beatriz

    ResponderEliminar