segunda-feira, 5 de maio de 2014

Reparei num papel rasgado...

........... * ..........

Olhei o chão, reparei num papel rasgado
Com semelhanças de mulher em fantasia
Tinha a tua imagem no verso de um lado
Pureza em teus olhos em rosto que sorria

Papel velho, enrugado, o chão ilustrava
Errante, esvoaçando ao vento, pura magia
Danças de amor, com quem ali passava
E da tua imagem, água de pureza, bebia

Apanhei o papel, senti em mim, nostalgia
Baque de amor pela imagem que sorria
Afeto no olhar, magia em meu pensamento

Senti que o destino estava em mim traçado
Guardei no coração esse ensejo abençoado
Em que reparei no papel rasgado no tempo
...

12 comentários:

  1. Boa tarde Ricardo

    Como sempre, estás em grande com as tuas inspirações.

    Um poema muito sensível, e com uma pitada de tristeza,mas, muito belo...Os Papeis envelhecidos são os que guardamos sempre no coração, mas quando rasgam, bem...!!!! ...Gostei muito. Parabéns!

    Tem um dia muito feliz

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  2. As pessoas que marcam a nossa vida a gente nunca esquece =)

    ResponderEliminar
  3. Oi Ricardo,mesmo envelhecidos os papéis ainda guardam muitas lembranças.
    bjs amigo
    Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  4. Boa tarde,
    Excelente poema que emociona pela tristeza sentida, as lembranças sempre vão fazer parte da nossa vida.
    Abraço
    ag
    http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. Gostei muito, meu amigo. Deve andar todo feliz....e com razão!!!
    Beijinho
    Irene Alves

    ResponderEliminar
  6. Oi Ricardo, Que soneto lindo de amor!
    Você faz sonetos lindos
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  7. Quantas vezes já encostei papeis assim ao peito
    quantas vezes em lágrimas já as beijei
    ...
    Sim uma triste saudade,mas uma terna lembrança
    do que de bom e belo ficou marcado.

    Felicitações Ricardo por tão sentidos versos.

    Meus cumprimentos e boa semana

    ResponderEliminar
  8. Um soneto muito bonito, Ricardo. Mesmo num velho papel enrugado pode existir marcado um sorriso belo que o tempo não conseguirá apagar, nem do papel, nem das tuas lembranças.
    xx

    ResponderEliminar
  9. No velho, um modo de visualizar o novo. Mesmo rasgado, nunca se perde o valor no tempo. Sensível é quem consegue ver na simplicidade, mesmo que de um velho papel, uma novidade de vida!

    Abraço.

    ResponderEliminar
  10. Que poema tão leve e a leveza da pessoa...

    Há pessoas assim... Não se sabe de onde vêm, que conjugações astrais as geraram... Delas apenas se sabe que nasceram para encantar...e lembrar nem que seja num indiferente papel amarrotado ... portadoras de lembranças...E para o encantamento nada melhor, que asas, Borboletas, do salvador Dali! ...chegam suavemente estreitando os laços de descoberta na leveza do ser...e permanece o encantamento e liberta o sentimento!

    Lindo poema!

    ResponderEliminar
  11. Amigo Ricardo
    Como é forte um sentimento,quando até uma imagem da amada nos inspira na escrita de um poético soneto!
    Parabéns.
    Um abraço
    Beatriz

    ResponderEliminar