segunda-feira, 10 de março de 2014

Searas verdes, flores de solidão...

..........................
Searas verdes, flores de solidão, molhadas
Pingas de água ondeando ao sabor do vento
Oscilando por afeição e amor, entrelaçadas
Expondo em suas folhas beleza e sentimento

Dançavam o seu amor em espaços de melodia
Sentia-se sua ternura pelos campos e arvoredo
Os seus cânticos mostravam toda a sua alegria
No coração do vento deixavam o seu segredo

No meio das flores uma mostrava seu encanto
Parecia chorar lágrimas de suspiro e pranto
Esbelta e formosa era a mais exuberante flor

Em encantamento sorria, mostrando ao mundo
Seu olhar molhado por água de amor profundo
Deixando escorrer límpidas lágrimas de amor
. . .

15 comentários:

  1. Está brilhante como só o Ricardo sabe fazer. Até me emocionou ao imaginar uma flor entre as flores nos campos do meu Alentejo
    Beijo

    ResponderEliminar
  2. Gostava de ser essa flor que chora limpidas lágrimas de amor. Eu só choro tristezas e angustias
    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Que linda poesia e que linda flor
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  4. Muito lindo! Seus versos são pétalas perfumadas!

    Beijos

    ResponderEliminar
  5. Que lindo,Ricardo!!! Muito bem inspirada! abração,linda semana,chica

    ResponderEliminar
  6. Bordeando sus pétalos, acunando la flor, preciosa poesía Ricardo

    Besos

    ResponderEliminar
  7. E assim balançavam flores de solidão
    Com lágrimas… já secas pelo vento
    Parecem cânticos, deixando o coração
    Orgulhoso, por ler-te neste momento.

    É sempre muito difícil comentar, Grandes Poetas .........
    Este soneto é maravilhoso...Amei.

    Beijo

    ResponderEliminar
  8. Que beleza de soneto, Ricardo! A Primavera realmente avança a passos largos.
    Depois de um longo e frio Inverno, todo o poeta que traz a Primavera dentro de si consegue acantonar em verso as lágrimas e o encantamento.
    xx

    ResponderEliminar
  9. Oi Ricardo
    Mais uma bela expressão do seu coração!
    que o jardim seja de várias tonalidades e exalem muito amor ,sempre!
    Que venha a Primavera para voce.
    abraço

    ResponderEliminar
  10. Tão Cãndido este poema! Como a lágrima brota da alma em vertentes de emoção a gota brota da flor numa manhã de orvalho ...para sobressair e ficar mais bela!

    ResponderEliminar
  11. Errata: Cândido!

    ResponderEliminar
  12. Flores com lágrimas de amor.

    Magnífico poema!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  13. Gostei, conforme já escrevi muitas vezes aqui sua sensibilidade é linda =)

    ResponderEliminar
  14. Amigo Ricardo
    Este soneto é um hino à Natureza, tão linda e exuberante!
    A imagem que escolheu é belíssima.
    Muitos parabéns, pois gostei imenso.
    Um abraço
    Beatriz

    ResponderEliminar