sábado, 4 de fevereiro de 2012

Lágrimas

Se penso que caminho entre rodas e esferas

Em que choro, canto, em voz enlouquecida

Recordo-me de outros ventos, outras eras

Como se tivesse vivido outra vida


Os meus lábios roxos de aragens severas

Que mordo em desvario de frio vento

Fazem-me sonhar de outras Primaveras

Em que o amor no coração era alento


E olhando ternamente o além vago

Vejo águas calmas e limpas de um lago

Nos pensamentos de coração assim


Sinto as lágrimas correr a contragosto

Como cálidas estradas em meu rosto

Esvaindo-se os sonhos que há em mim

Sem comentários:

Enviar um comentário