domingo, 10 de outubro de 2010

Amor eterno


Penso em outros sentidos e eras
Em que a felicidade era a vida
Rebolei entre círculos e esferas
Sentindo o gosto da boca ferida

Eras flor em campo, madrigais
Florando em todas as Primaveras
Olhar meu em todos os Natais
Em noites arrefecidas e severas

Entre quimeras olhando o vago
Sentindo as frias águas do lago
Adormeci em aljôfar de calma

Entre delírios do infinito coração
Senti a suavidade da tua mão
Fazendo carícias na minha alma

4 comentários:

  1. É tão bom sentir esse afago na alma...

    Tenha um bom domingo, bjos!

    ResponderEliminar
  2. Minha querida
    Sempre o amor...doce e amargo.
    Lindo o teu poema
    deixo o meu carinho e um beijinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  3. "Entre delírios do infinito coração
    Senti a suavidade da tua mão
    Fazendo carícias na minha alma"
    Lindo... Parabéns, beijo

    ResponderEliminar
  4. E, o coração Órgão misterioso que quando joga o jogo do Amor nos traz um misto de transição... que permanece em nós como um livro de rememoração ... e se torna eterno na nossa vida ...

    ResponderEliminar