quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Ser aquilo que sou. Tudo e ... Ninguém.

Sou uma partícula do nada
Sou viagem em água de solfejo
Musica saída de rochas sombrias
Sou pensamento vadio
Sou vento que sopra ao sabor de um beijo
Sou um rio
De águas correntes de sátiras que não ouço
Vagas de espuma em margem apaixonada
Sou ventura de algas que se consomem
Sou uma partícula do nada
Só porque ... sou HOMEM

3 comentários: