segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

O Mar é Paz em turbulência
Ondas que correm vertiginosas
Para a fim da própria nascença
Fazendo da areia cemitério
Do fim da sua vida
São imã da força da presença
"Beijando-se" na complacência
Da sua calma … impetuosa

5 comentários:

  1. Bom dia. Vim voar um pouco por este céu onde vive uma águia livre e encontrei poemas nascidos de emoções.
    O mar é grandioso. A sua melodia nunca nos cansa, mas ele é a conjunção dos opostos, calma, conforto e seneridade, bem como fúria, agitação. E também é melancolia... Enfim o mar é tal qual um ser humano - de flutuações emotivas.
    Seja sempre bem-vindo aos universos quertionaveis e eu também voltarei aqui em breve.
    bom feriado e excelente semana
    (já agora, partilho da mesma resposta à pergunta da força de vontade.)
    um sorriso

    ResponderEliminar
  2. Bom dia, Carla Sofia ( Nome muito bonito)

    Bem vinda a este cantinho

    COncordo com tudo o que diz. O Mar é de facto uma imensidão de interrogações, sendo lindo e maravilhoso na sua essência.

    Outro sorriso
    .

    ResponderEliminar
  3. O mar é o espelho da nossa alma.
    É nele que encontramos 'um ombro amigo': partilhamos as nossas dores e as nossas alegrias.
    Como é bom poder ouvi-lo, também, nos seus dias de fúria ou nos seus dias de calma.
    Muitas vezes é ele que me acalma.
    Como é bom dormir ao som do mar, acordar, ir à janela e ver... o mar.

    Adoro o mar :)

    Bonito de ler, mais uma vez, Águia.
    És o poeta dos poetas ;)

    beijinho e bom feriado.

    ResponderEliminar
  4. O mar é o inicio
    A areia o fim...
    Ou será o contrario??
    Não interessa, o importante é que os dois se pertencem, se complementam e se formam.

    ResponderEliminar
  5. As ondas são música e morrem na areia como a música morre nos silêncios: apagando-se e ganhando nova vida.

    ResponderEliminar